Rapper Ja Rule arrasa em show na Rocinha

Um dos maiores nomes do hip-hop mundial leva artistas, mauricinhos e popozudas à favela

Roberta Pennafort,

14 de julho de 2008 | 16h09

O show atrasou horrores, fazia muito frio, a desorganização era grande, mas, ainda assim, mais de 10.000 pessoas (segundo os números dos organizadores) esperaram para dançar e cantar os sucessos de Ja Rule, domingo à noite, na favela carioca da Rocinha (uma das maiores da cidade).    A equipe de produção do rapper norte-americano escolheu o morro para que ele estivesse "entre os seus", conforme o próprio declarou antes da vinda ao Brasil. No entanto, parece que ninguém se lembrou que se tratava de um domingo, véspera de um dia de trabalho.    A noite na Arena do S, um enorme espaço que servia como garagem de uma empresa de ônibus (e que já recebeu Ivete Sangalo), começou às 21 horas, com a apresentação de MCs da Rocinha e de outras favelas. O horário marcado para a abertura era 19 horas e a previsão era de que Ja Rule pisaria no palco às 22 horas.    O público subia aos poucos. Além dos moradores do morro, mauricinhos da zona sul, popozudas de butique e artistas (Alessandra Negrini, com cara de poucos amigos, como sempre, foi a primeira a chegar; depois vieram Thiago Rodrigues, Letícia Birkheuer, Caio Blat e outros). Uniformes: para os homens, camiseta e boné, para elas, calça atochada e saltão.    A presença de Romário era a mais esperada - seria a senha para um possível início do show do rapper, já que os dois haviam estado juntos horas antes no Maracanã, para assistir a um Flamengo X Vasco. Doce ilusão! O jogador chegou e nada de Ja Rule por mais uma hora...    A maior parte dos fãs resistiu sem reclamar. Os moradores da Rocinha estavam orgulhosos de ter um dos maiores nomes do hip-hop mundial ali. Os de fora repetiam que não tinham medo de ir à noite a uma favela; a música era o que importava.    "Acho muito legal as pessoas virem pra cá. Só o fato de o show ser aqui demonstra que a Rocinha não é um lugar perigoso", defendeu Fernando Villar, de 43 anos, técnico de piscinas."Nunca tinha entrado numa favela antes, mas não estou com medo. Esse é o lugar ideal, porque é o público dele", disse a universitária Clara Mendes, de 21 anos, de Niterói.    Era 1h20 quando Ja Rule surgiu. Cantou um hit após o outro - Mesmerize, Wonderful, Put It On Me, Uh Oh, Between Me And You, Down Ass Bitch, entre outros -, requebrou junto com dançarinas brasileiras, vestiu uma camisa do Flamengo. Foi o suficiente para conquistar a Rocinha, apesar dos contratempos. Era tanta empolgação que uma moça da platéia subiu no palco e desmaiou de emoção...

Tudo o que sabemos sobre:
rapperJa Rule

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.