Rapper Black Alien comemora a nova fase e lança disco após 11 anos

Rapper Black Alien comemora a nova fase e lança disco após 11 anos

Após superar o passado tumultuado, músico lança ‘No Princípio Era o Verbo’, segundo álbum da carreira

Pedro Antunes , O Estado de S. Paulo

31 de agosto de 2015 | 03h00

“Deixei a clínica no dia 17 de julho e, no mesmo dia, mudamos para cá.” Gustavo de Almeida Ribeiro, mais conhecido pelo apelido de Black Alien, não esconde a atual leveza de ser. Limpo, reabilitado, sem o álcool que o atormentava há tempos. Agora, isso é passado. Um fantasma que o assombra aqui e ali, mas distante, em pesadelos e momentos de ansiedade ou decepção. Ao sentar em uma cadeira de pano na varanda da casa onde mora há pouco mais de um ano, rodeado de árvores enormes, o rapper de 43 anos não esconde a ansiedade para o retorno definitivo à música após 11 anos desde o lançamento do primeiro e histórico disco, Babylon by Gus – Vol. I: O Ano do Macaco, de 2004. 

Seis dias separavam o início daquela tarde ensolarada de sexta-feira, 28, para a data de lançamento do segundo álbum solo de Gustavo (ou Gus, como os amigos o chamam), Babylon by Gus – Vol. II: No Princípio Era o Verbo. O trabalho independente, disponível de forma gratuita a partir da quinta-feira, 3, tem a missão de suceder um disco que marcou a nova fase do hip-hop nacional, no início da década passada. O intervalo de 11 anos entre os álbuns só aumentou a expectativa dos fãs e de qualquer um ligado ao rap brasileiro. Enfrentar a pressão, contou Black Alien, foi duro. 

“Lançar um disco depois de 11 anos...”, diz ele, enquanto, pensativo, busca entender o que sente com relação a colocar fim ao jejum de discos de estúdio e, ao mesmo tempo, suceder um disco tão elogiado (embora não tão bem comercialmente). “Fiquei preocupado no início. A expectativa do público era demais. Pensava: ‘Será que as pessoas vão gostar?’. Eles, os fãs, consideram meu disco um clássico. Fazer um álbum depois de um clássico é sempre uma responsabilidade muito grande. Isso é verdade.” 

“Mas se posso dizer que aprendi é que eu não sou obrigado a fazer um outro clássico”, continua, enquanto alisa o cavanhaque longo. “O que aceitei é que posso e vou fazer o máximo possível. Colocar meu coração naquilo, neste disco. Espero que as pessoas gostem. Não posso criar expectativas porque, se não der certo, me decepciono. E isso é muito ruim para mim. Desencanei. Espero que as pessoas gostem. Eu gostei.”

Ele nunca ficou longe da música, nos palcos e nas participações especiais. Criou, por exemplo, a faixa Coração do Meu Mundo, canção feita exclusivamente para a novela da TV Globo Bang Bang, de 2005. Há pelo menos um par de anos, contudo, se ouve falar do segundo volume do trabalho solo de Black Alien. 

Em outubro de 2013, Gustavo criou o projeto de crowdfunding para concretizar o lançamento do álbum. Assim que encerrou a arrecadação, em dezembro de 2014, internou-se mais uma vez. Queria deixar para trás a vida com os excessos que só lhe faziam mal e impediam de, afinal, criar o sucessor do seu primeiro disco. Na clínica, criou duas das 12 músicas que compõem o novo trabalho. Nasceram ali Somos o Mundo e Terra. Esta última foi transformada no primeiro single e, nele, Alien reforça seu estado de espírito no refrão. Repete “eu vou ficar bem” por três vezes. 

Na mesma canção, também diz “procuro a nossa semelhança e não a nossa diferença”. “É uma mudança de mentalidade que decidi adotar”, explica o rapper sobre o verso. “Comecei a entender o que o outro tem que seja igual a mim. Preciso entender o outro. Isso me ajudou muito, cresci quando comecei a adotar essa postura.” 

Hoje, Black Alien é sorriso e abraços. Seu disco flui energia positiva. Canções solares, que nada se inspiram em tempos difíceis entre reabilitações e recaídas. Ele quer olhar para frente agora. Pensa num possível disco de rock e celebra a vida distante da cidade grande. “Morava na Vila Madalena (em São Paulo). Bem no meio daquela loucura toda. Para quem estava em recuperação, não era bom. Dou fruta para os micos, vejo os bichos andando para lá e para cá. Antes, eu sentia falta até da sirene de ambulância. Era muito urbano. Agora, não. Eu vivo aqui para ouvir os pássaros cantando.” 

Black Alien lança ‘No Princípio Era o Verbo’, segundo disco da carreira

É Marina, companheira de Gustavo Black Alien e com quem ele divide as funções de administrar a carreira, quem abre a porta da casa onde o casal mora há pouco mais de um ano, na Granja Viana, nos arredores de São Paulo. “O Gus está se arrumando, desculpe pelo atraso”, diz ela. O rapper aparece depois, com camiseta e calça preta, meia grossa, de algodão e chinelo de dedo. “Vocês vão fazer foto de corpo inteiro?”, pergunta ele. “Se forem, é bom você colocar um tênis”, intervém Marina. 

Gustavo Black Alien, rapper de 43 anos que está prestes a interromper um hiato de 11 anos entre discos com o lançamento de Babylon by Gus Vol. II – No Princípio Era o Verbo, manteve a meia e o chinelo, “para ficar mais à vontade”, brincou. Em outro momento da sessão de fotos para a reportagem do Estado, ele questiona se é melhor sorrir ou fazer o jeitão sério. Ouve que pode escolher posar como quiser. E ele prefere sorrir.

E, enfim, Black Alien tem motivos para sorrir. A vida nem sempre lhe tratou bem, mesmo que seu primeiro disco solo, O Ano do Macaco, tenha sido tão bem aceito por crítica e público e seja classificado como um dos álbuns clássicos do rap nacional, 11 anos depois do lançamento. 

O menino do Rio chegou às mais altas posições no hip-hop brasileiro em um período no qual o gênero era extremamente mais marginalizado do que é hoje, mas perdeu diversas vezes a batalha contra o álcool. 

Depois de uma nova internação, ano passado, se diz feliz e leve ao estar limpo e livre daquilo tudo. Mudou-se para um condomínio fechado para ficar longe do agito etílico da Vila Madalena, antiga morada, e persegue uma vida simples, entre bichos silvestres e uma cadela amável que dividem o mesmo terreno. 

É essa a nova vida que está em Gus Vol. II – No Princípio Era o Verbo, segundo disco da carreira que parece seguir de onde o primeiro parou. Até mesmo a produção do trabalho continua sob o comando de Alexandre Basa. “A gente se conhece há mais de 20 anos”, justifica Black Alien. “Temos afinidade. Ele sabe tocar vários instrumentos, o que é algo que admiro em um produtor.”

O álbum tem participações incisivas e mostram a abrangência da sonoridade do rapper. Estão no álbum os cantores Luiz Melodia e Céu, em Quem É Você e Somos o Mundo, respectivamente, assim como os rappers Edi Rock (em Rock’n’Roll), Parteum e Kamau (ambos em Skate no Pé). O título, “No princípio era o verbo”, ele encontrou em uma Bíblia recebida do amigo André Ramiro, rapper e ator que se destacou no filme Tropa de Elite. “Está ali, no livro de João, capítulo 1, versículo 1. Daí tirei a ideia. Esse vai ser o nome do meu disco. É assim que tudo começou”, conta, sobre o projeto iniciado ainda em 2013. 

Nesses mais de dez anos entre um disco e outro, ele disse não ter ouvido novidades ou realizado pesquisas musicais. “Fiquei muito alheio. Ouvi pouca música, quase não consumi arte. Praticamente não li um livro, não fui ao cinema”, relembra. Há pouco tempo, Gustavo comprou uma vitrola nova e trouxe de Niterói para a Granja uma pequena parte da sua coleção de discos e voltou a ouvir Public Enemy. “Ainda é meu grupo preferido de rap.” 

Ele diz ainda ter pesadelos com os abusos de drogas e álcool, mas “o Gustavo consciente e inconsciente brigam e isso passa”, afirma. O rapper passou a experimentar um conselho recebido de Frejat, que dizia que o melhor horário para escrever é pela manhã. “Agora, à noite, meu humor já não é o mesmo. Era o momento da bagunça.” 

Babylon by Gus Vol. II – No Princípio Era o Verbo, contudo, não vai pelo caminho sombrio de relembrar o passado. Black Alien produziu um disco solar, na sua maneira. “Passei por muitos momentos difíceis, por atitudes e escolhas tortas. Paguei o preço por isso e acho que Deus foi justo”, analisa. “Hoje, tento sempre ver a vida da melhor maneira possível.” 


Mais conteúdo sobre:
black alienraphip-hopmúsica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.