Angela Weiss/AFP
Angela Weiss/AFP

Rap contra as drogas de J. Cole lidera lista da Billboard

O álbum 'KOD', de Cole, foi lançado e ficou no topo da lista da revista após vender 397 mil cópias

AFP

01 Maio 2018 | 19h44

Em uma época em que grande parte do hip-hop se deleita com o estilo de vida mafioso, uma séria advertência do rapper J. Cole sobre os perigos das drogas se tornou um sucesso. O álbum KOD, de Cole, foi lançado e ficou no topo da lista da Billboard na melhor primeira semana para um álbum este ano.

KOD vendeu 397 mil cópias, ou o equivalente digital, e se tornou o terceiro álbum mais ouvido on-line durante a semana que terminou na quinta-feira, anunciou o serviço de acompanhamento Nielsen Music. O quinto álbum do rapper mostra um espírito musical novo e aventureiro que evoca Kendrick Lamar, o artista mais elogiado do hip-hop, embora Cole se incline por uma lírica fácil de entender.

KOD começa explicando que os recém-nascidos se comunicam de duas formas principais - o riso e o choro -, e lança a premissa do álbum: "Há muitas formas de lidar com essa dor: escolha sabiamente". Na canção Friends, Cole diz que quer falar diretamente com os homens afro-americanos e enumera as explicações que escuta sobre o vício. "A culpa é do crack / a culpa é do sistema", diz. "A culpa é da angústia que você sente quando o papai desaparece".

"Você está fugindo de si e comprando o produto outra vez / sei que você diz que ajuda e eu não estou tentando te ofender / mas eu sei que a depressão e vício das drogas não se misturam".

++ Britânicos querem 'American Idiot', do Green Day, em primeiro lugar na visita de Trump ao país

"Eu entendo que essa mensagem não é a mais legal a dizer / Mas se você quiser testar, conheço algo melhor: medite!", continua a música.

Cole explicou no Twitter que KOD tem três significados simultâneos: "Kids on drugs" (crianças nas drogas), "King overdosed" (rei com overdose) e "Kill our demons" (mate nossos demônios).

Mais conteúdo sobre:
Hip-hopJ. Cole

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.