Quarteto Amazônia faz turnê pela Europa

O Quarteto Amazônia - composto por Cláudio Cruz, Igor Sarudiansky, Horácio Schaefer e Alceu Reis - está na Europa onde, segunda-feira em Zagreb, fez o primeiro de uma série de concertos pelo continente. O grupo, que gravou em fevereiro um disco com música brasileira em Viena, vai se apresentar na Croácia, na Hungria, na Áustria e na Itália.O grupo, agora, segue para Viena onde, quinta-feira, se apresenta na Sala Barroca da Antiga Prefeitura Municipal e, sexta, na Universidade de Música da capital austríaca. Ainda em Viena, o grupo apresenta-se, no sábado, na embaixada brasileira. O próximo compromisso, no dia 3, vai encontrar o quarteto em Roma, para um concerto no Instituto Latino-Americano que será gravado e transmitido pela Rádio Vaticano. O grupo segue, então, no dia 3, para Budapeste, onde faz concerto na Rádio Bartok. O último compromisso será em Praga.O repertório dos concertos estará focado no repertório gravado pelo grupo no início do ano, que inclui peças de compositores como Alberto Nepomuceno, Alexandre Levy, Carlos Gomes e Dora Pejacevic. "Também iremos tocar peças de Grieg e alguns tangos de Piazzola, que estão em um disco em fase final de preparação", indica Igor Sarudiansky, para quem a turnê deve ajudar a promover o trabalho do conjunto até mesmo no Brasil. "Quanto mais conhecidos ficarmos, mais apresentações faremos, até mesmo no Brasil, onde atualmente tocamos muito pouco."A turnê do quarteto, assim como o projeto de gravações de discos, apoiou-se em uma cooperação mútua entre os governos brasileiro, austríaco e croata. A turnê é fruto do apoio do Ministério das Relações Exteriores, que está patrocinando o projeto cultural Austro-Brasileiro-Croata. Da mesma forma, o disco - com composições de Alexandre Levy, Alberto Nepomuceno, Carlos Gomes e Dora Pejacevic -, gravado no início do ano, teve apoio do Banco do Brasil em Viena e da rádio austríaca ORF. "Sem esse apoio, ficaria muito difícil conquistar os espaços que estamos conseguindo", indica Sarudiansky.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.