Público lota praça da Apoteose para ver Roger Waters no RJ

O show do baixista, compositor e vocalista do Pink Floyd, Roger Waters, começou pontualmente às 21h30 na praça da Apoteose, no Rio de Janeiro, enquanto o público ainda chegava e preenchia o espaço nas arquibancadas ao som de In The Flash. Todos os 45 mil ingressos colocados à disposição foram vendidos. O preço das entradas, que começam a ser vendidas no dia 14, variaram entre R$ 140 e R$ 500. Segundo a produção, o espetáculo deve durar duas horas e trinta minutos, contando com 26 músicas ao todo. Cerca de 50 crianças do Coral Infantil da Universidade Federal do Rio de Janeiro irão participar do show, cantando com o astro a música The Wall. A primeira parte do show no Rio de Janeiro terá musicas da carreira solo de Water e do grupo Pink Floyd. A segunda, será toda do álbum conceitual Dark Side of the Moon, o terceiro mais vendido em todos os tempos. O supervisor Fábio Costa diz que 500 homens cuidam do da segurança do megaespetáculo dentro da Apoteose. Do lado de fora, 90 soldados da Polícia Militar trabalham motorizados e a cavalo para evitar problemas. O major Lacerda, Comandante da policiamento, disse que está sendo reprimida a ação de flanelinhas nas proximidades da Marques de Sapucaí, no centro da capital fluminense. Cerca de 25 flanelinhas já haviam sido detidos até as 20h30, sendo que nenhuma ocorrência policial foi registrada até o momento. O álbum Com dez faixas cheias de efeitos sonoros de grande impacto e mediações instrumentais de longa duração, procedimento típico do rock progressivo, o disco Dark Side of the Moon, abre com o som de um coração pulsando, que se mistura ao tilintar de caixa registradora, tique-taque de relógio, falas, risos e culmina com um grito feminino em Speak to me. "Eu achava que o álbum precisava de uma espécie de abertura", disse Waters sobre a música. O caos inicial dá lugar à calmaria momentânea de Breathe para retornar na instrumental On the Run. "Tentando descobrir como funcionava o seqüencer (VCS3), toquei alguma coisa nele e acelerei. Isso acrescentou uma certa tensão", comentou Waters. Time veio da preocupação dele com o amadurecimento, aos 29 anos. A reprise de Breathe, como vinheta, tem efeito emocional para o estágio de The Great Gig in the Sky. Sem letra, pontuada pelo canto de Clare Torry em vocalise, e com inserções de trechos de um discurso bíblico, foi inspirada no medo da morte - um dos temas centrais do álbum, que também alude a guerra, loucura, alienação e paranóia. Money, além da caixa registradora, teve até sons de sacos reais de dinheiro batendo no chão. "Cada som tinha seu próprio loop que nós tivemos de medir, usando um regulador, para mantê-los no tempo certo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.