Instagram/@mickjagger
Instagram/@mickjagger

'Publico fotos como um diário', diz Mick Jagger sobre Instagram

Vocalista dos Rolling Stones afirma que usa rede social para se divertir e que prefere as ruas aos quartos de hotel

Entrevista com

Mick Jagger

Geoff Edgers, The Washington Post

03 de janeiro de 2022 | 05h00

A primeira vez que Mick Jagger nos mostrou que entendia o universo do Instagram foi na primavera de 2019. Foi quando o líder dos Rolling Stones, afastado no início daquele ano por causa de um procedimento cardíaco, apareceu em nossos feeds, em meados de maio, vestindo calça de moletom preta e camiseta branca, girando em um estúdio de dança ao som do The Wombats. Sem que ele dissesse uma palavra, sabíamos que Sir Mick ficaria bem. 

Houve muitas postagens desde então – imagens bobas do passado; homenagens ao Dr. John, Little Richard e ao querido colega de banda Charlie Watts; um apelo para ajudar as vítimas de uma erupção vulcânica no Caribe –, mas as postagens de Jagger no Instagram aceleraram em setembro passado, quando os Stones se reuniram para completar sua turnê No Filter. Lá estava Mick, olhando para os cervos durante uma caminhada no Tennessee. Ou posando em frente ao Arco de St. Louis. E que tal aquela quarta-feira à noite em Charlotte quando Mick apareceu, nas sombras, bebendo cerveja do lado de fora do Thirsty Beaver Saloon? 

Com a turnê dos Stones encerrada, Jagger, 78, falou pelo telefone sobre seus hábitos no Instagram.

Você está ocupado com a turnê e qualquer pessoa que tenha visto essas apresentações sabe que elas são muito físicas. Alguns podem pensar que você estaria em uma banheira de hidromassagem ou na cama para descansar entre os shows. Por que você decidiu fazer isso?

Não estou fazendo isso apenas para colocar fotos no Instagram. Estou fazendo isso para sair, porque não quero ficar preso em um quarto de hotel assistindo TV. Mas, quero dizer, isso é um pouco engraçado. Ah, ‘isso vai dar uma boa foto’, ‘isso é hilário’. Eu não publico todas.

Não vejo ninguém nas fotos com você. Você tem guarda-costas ou é só você e mais uma pessoa? Eu acho que você seria reconhecido e cercado.

Eu levo um segurança ou talvez dois. E um dos caras – um dos músicos, talvez. Saímos e exploramos. Caminhamos pelas ruas em Nashville. Estou usando uma máscara e um chapéu e por isso não sou reconhecido. É louco. Mas a maioria dos lugares que vou não está cheia de gente.

Vejo outras celebridades no Instagram e elas estão sempre super arrumadas. Quase como se fosse uma campanha publicitária. Você parece não estar muito preocupado com maquiagem e iluminação. Você está bem nas fotos, mas não parece se importar muito com isso.

Não, não muito. Quer dizer, também não quero parecer horrível, mas não se trata de vaidade. De certa forma, é como um diário, suponho. Os lugares onde você esteve.

Você teve a ideia de postar fotos de todas as cidades ou alguém disse: ‘Ei, sabe, seria legal fazer isso’? Qual era o objetivo ali?

Sim, foi ideia minha, e fiz isso em nossas turnês anteriores. Mas agora as redes sociais ficaram mais populares. As pessoas não prestavam tanta atenção quanto agora. E quando eu parei de fazer, quando eu fiz naquele bar, sabe, o bar Beaver, algumas pessoas notaram muito e eu pensei: bem, na verdade, isso é divertido.

Naquela foto do Thirsty Beaver Saloon em Charlotte, você está bebendo cerveja e as pessoas estão agindo como se você não estivesse lá. Você precisou dizer: ‘Você poderia, por favor, desviar o olhar ou fingir que não estou aqui?’ Ou elas não perceberam?

Na verdade, se você olhar, elas estão todas atrás de mim.

Ah, certo, então não perceberam.

Quase não há ninguém lá. Está escuro. Não é realmente chamativo. Eu não estou em uma limusine enorme. Eu apenas ando pelo quarteirão e depois vou até lá. E não posso entrar no bar porque as regras da turnê em relação à covid-19 não me permitem entrar em um bar. E essa é uma promessa que fizemos. Mas eu poderia ficar do lado de fora do bar. E estou longe das pessoas.

Não quero me estender muito sobre o Thirsty Beaver Saloon, mas como você decidiu ir para lá?

Bem, as pessoas de lá me disseram que era um bar popular quando eu cheguei. Em tempos normais, eu entraria no bar e passaria um tempo lá. Mas eu não quis fazer isso por causa da covid. Então, eu simplesmente saí. E, em outras ocasiões, você faz a típica atividade turística, como o Arco de St. Louis. Se você vai lá em determinados horários do dia, não tem tanta gente, tira a máscara e faz a foto.

Você já pediu para os caras se juntarem a você? Tipo, ‘Keith, vou dar uma boa caminhada em uma trilha.’

Ele tem uma forma diferente de lidar com a turnê. Quero dizer, ele ocasionalmente sai para comer. Mas eu acho que com a covid-19, as pessoas, com razão, ficaram preocupadas com o que aconteceria se encontrassem uma multidão.

Em Miami, você está sentado na praia. Parece que você consegue relaxar sem uma multidão.

Na verdade, o hotel ficava na praia e havia muitos paparazzi e drones de paparazzi na minha varanda, o que tenho certeza que é ilegal. Mas sim, eu pensei em caminhar na praia, mas fui um pouco ingênuo e tiraram muitas fotos, mas isso acontece. Achei que seria bom sentar na praia por um minuto./TRADUÇÃO LÍVIA BUELONI GONÇALVES

 

Tudo o que sabemos sobre:
Mick JaggerRolling Stones

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.