Promotores exibem coleção pornográfica de Jackson

Promotores mostraram aos jurados do caso Michael Jackson uma série de revistas de sexo explícito, DVDs, livros e vídeos encontrados no rancho Neverland, propriedade do cantor pop, mas testemunhas admitiram que não há evidências de que o cantor as tenha mostrado ao garoto que o acusa de abuso sexual.Com seus pais sentados atrás dele, o astro pop assistiu à exibição que os promotores fizeram na quarta-feira das várias revistas com capas e fotos de mulheres em poses provocativas.Os jurados também ouviram o testemunho de detetives sobre o que eles encontraram no quarto de Jackson durante a busca realizada no dia 18 de novembro de 2003, quando o garoto que acusa Jackson deixou o rancho pela última vez.O advogado de defesa Robert Sanger notou que o exemplar da revista Penthouse tinha na capa a data de Julho/Agosto de 2003 e perguntou a Victor Alvarez, que participou da busca na casa de Jackson, se o garoto e seu irmão disseram que o cantor Jackson havia lhes mostrado aquela revista. "Esta em particular, eu não sei", disse Alvarez.O DVD exibido foi lançado em 27 de março de 2003, quinze dias depois de a família ter deixado o rancho. Na semana passada, o irmão do adolescente que acusa Michael Jackson disse que uma cópia da revista Barely Legal era exatamente aquela que Jackson havia mostrado a ele. A defesa apontou que o exemplar era de agosto de 2003.O sargento Steve Robel testemunhou que o jovem contou a ele que Jackson o molestou entre cinco e sete vezes, mas que ele não poderia se lembrar do que aconteceu todas as vezes. "Ele falou conosco numa boa", disse Robel sobre a entrevista inicial do garoto. "Quando eu toquei no assunto dos abusos eu notei uma mudança no comportamento dele. Ele ficou quieto, cruzou os braços e afundou na cadeira. Ele até ficou meio gago". As dúvidas sobre o número de vezes em que o garoto foi molestado surgiram após o primeiro testemunho de Robel, que disse que o garoto lhe havia contado ter sido molestado no mínimo cinco vezes. Em seu testemunho, o garoto disse ao júri que fora molestado duas vezes. Robel disse ontem que o garoto lhe disse "isso aconteceu entre cinco e sete vezes", mas que não poderia especificar exatamente o que aconteceu em cada uma delas. O investigador disse que desde a primeira entrevista do garoto, em julho de 2003, ele foi capaz apenas de dar detalhes de dois dos alegados abusos.A possibilidade de a vítima não estar plenamente consciente nas vezes em que foi molestada foi sugerida pelo testemunho do irmão do garoto, que disse ter visto Jackson abusar de seu irmão quando ele estava dormindo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.