"Programa" condensa as muitas fases de Lulu Santos

Lulu Santos fez 49 anos no dia 4 e,para comemorar, fez o que faz sempre: lançou um disco novo, oseu 17.º álbum. Um disco que, ainda por cima, festeja 20 anos decarreira. Seu primeiro álbum, Tempos Modernos, saiu em1982.Programa (BMG), o novo CD, é considerado por Lulu Santos umaespécie de "cápsula do tempo". Aquele tipo de fenômeno que,como dizia Barthes sobre a pedra de Bolonha, consegue aprisionartodas as luzes de um longo dia."No decorrer dos 47 minutos, esse disco refaz meus 20 anos decarreira, do popbras dos anos 80, passando pela fase eletrônica,pelo popsambalanço com Marcos Valle e chegando até a paródia,que é a marchinha Eros & Thanatos", conceitua o cantor eguitarrista.De todas essas fases, avalia Lulu, o que permanece após 20 anosde palco & hits de rádio é o "pop roqueiro brasileiro fazedorde canções". Um sujeito que tem no currículo alguns dos maioressucessos da música popular, como Maresia (com Gabriel oPensador) e Como Uma Onda."O que permanece constante é o fato de eu me exprimir por meiode canções", diz Lulu Santos, que exercita esse coté já testadoe aprovado também com outros parceiros em seu disco. Osconvidados são Marcos Valle e Ed Motta (em Walkpeople) eBernardo Vilhena (Salto Fino, uma canção de 1979 que recebeunovo tratamento).O nome do disco, Programa, segundo explica, é referência aum termo utilizado no livro Red, Green and Blue Mars, de KimS. Robinson, uma ficção científica na qual as personalidadeshumanas são chamadas de "programas". Obviamente, admite outrossignificados, como uma noitada pelo Rio afora.Sarcástico como sempre, Lulu Santos usa suas canções às vezescomo suportes musicais de suas teses, às vezes apenas comocomentários sociais, croniquetas do dia-a-dia. É o caso, porexemplo, da divertida faixa Figurativa, no qual examina umapersonagem urbana típica. Na gíria carioca, é a garota"ploc"."A casa dela é de desenho animado/ É tudo overdecorado".Segundo Lulu, Ploc é aquela menina que usa miniblusa com estampadas Meninas Superpoderosas, não é exatamente mais uma menina,tem cabelo de duas cores e prendedor colorido. Ele inspirou-sena filha de sua ex-mulher, Scarlett Moon Chevalier, paraescrever a canção.Herbert - O novo álbum (assim como o mais recente de Gilberto Gil, os dois lançados essa semana) marca o retorno de Herbert Vianna ao frontda música pop, após o acidente que quase o matou, em fevereirodo ano passado. A faixa é 4 do 5, referência ao dia doaniversário dos dois músicos, Lulu e Herbert.Lulu conta que, no início ainda de sua carreira, estavaesperando um ônibus na Rua São Clemente, em Botafogo, quando foiabordado por um garoto. "Você não é o Lulu Santos, do Vímana?", perguntou o sujeito. "Ele começou a me entrevistar com umbloquinho e uma caneta Bic", lembra.O garoto era Herbert Vianna. Lulu, atencioso, pegou o telefonedele e ao longo de uns tempos, trocaram idéias. "No coro damúsica, Só faço com você, tem a voz do Herbert, do João Barone, da Paula Toller, pessoas que, àquela altura, não tinham gravadoum disco ainda", lembra.Depois, as trajetórias artísticas os mantiveram afastados."Quando aconteceu o acidente com o Herbert, aquilo me fezlembrar que era uma pessoa da minha vida, isso me reaproximoudele". O show do álbum Programa estréia no dia 12 de julho, no ATLHall, no Rio de Janeiro. Na primeira semana de agosto, chega aSão Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.