Wilton Jr / ESTADÃO
Wilton Jr / ESTADÃO

Produtores afirmam: não há música nova de Renato Russo

Tanto o produtor musical Carlos Trilha quanto o artístico Marcelo Fróes dizem que o que existem são gravações de canções já conhecidas que não entraram nos discos da Legião Urbana; nesta quinta, Fróes dará seu depoimento à polícia municiado de contratos que atestam a legalidade de seu trabalho

Julio Maria, O Estado de S.Paulo

28 de outubro de 2020 | 16h22

O caso Legião Urbana tem munição para render mais do que um episódio policial. Desde a manhã desta terça, 27, quando policiais da Delegacia de Repressão aos Crimes Contra Propriedade Imaterial (DRCPIM ) foram à casa do produtor Marcelo Fróes com um mandado de busca e apreensão para recolher seu celular e seu computador, a história cresce. Os agentes policiais, um deles sem máscara, estavam ali para descobrir possíveis “músicas inéditas de Renato Russo” que Fróes guardaria à revelia do detentor dos direitos autorais do cantor morto em 1996, seu filho, Giuliano Manfredini.

Os fonogramas de Renato pertencem não a Giuliano, mas à gravadora EMI. E, mesmo que eles existam, não seria crime tê-los uma vez que não estão sendo comercializados. Mas a história segue. Marcelo diz que prepara um volumoso depoimento à polícia para esta quinta, 29. Ele conta à reportagem que vai apresentar dois contratos, um assinado com a gravadora EMI e outro com a família de Renato Russo, quando os direitos do cantor eram tratados ainda com o pai de Renato, seu Manfredini. Giuliano, à época, ainda não era maior de 18 anos para assumir os negócios.

Marcelo conta que foi contratado tanto pela gravadora quanto pela família para fazer um levantamento das gravações espalhadas de Renato Russo pelos estúdios em que ele gravou. Ele entregou o trabalho em um relatório com o nome das músicas em 2003. Depois disso, como produtor, lançou legalmente três álbuns póstumos de Renato: Renato Russo Presente (2003), O Trovador Solitário (2008) e Duetos (2010), além de dois DVDs (Uma Celebração, de 2005, e Entrevista MTV, de 2006). Em 2010, conta, Giuliano tomou as rédeas dos negócios e se afastou da família e dos músicos do Legião. Giuliano não foi encontrado pela reportagem.

Um esclarecimento importante, que talvez seja o capítulo que mais interesse aos fãs: segundo Marcelo Fróes e o produtor musical do Legião, Carlos Trilha, também citado na operação que a polícia batizou de “Será”, não há músicas inéditas de Renato. O que existe são letras e gravações de músicas conhecidas em outros takes. Trilha, em suas redes sociais, falou sobre isso: “Não existem músicas inéditas. Existem letras não usadas por Renato que poderiam ser musicadas por terceiros e seriam escolhidas pelo jornalista Marcelo Fróes antes da administração do espólio ser transferida para o herdeiro dos direitos. Não sei se esta ideia avançou.” 

E fala mais: “As tais ‘versões inéditas’ de músicas que já existem é quase certo que sejam apenas remixagens utilizando-se as vozes guia das faixas que possuíam este registro (Renato odiaria isso).” Fróes, enquanto isso, se diz prejudicado. “Sem celular e sem computador, estou impedido de trabalhar. E não há prazo para que eu possa reaver meus equipamentos.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.