Produtor Roberto Quartin morre no Rio aos 62 anos

Morreu ontem aos 62 anos, no Rio, o produtor Roberto Quartin, criador, nos anos 60 da gravadora Forma, que lançou discos seminais como Coisas, de Moacir Santos, as trilhas sonoras de Liberdade Liberdade, peça em que Nara apareceu como cantora, e do filme Deus e O Diabo na Terra do Sol (com Sérgio Ricardo cantando a história), os afro-sambas de Baden Powell e Vinícius de Moraes e o registro completo, 21 músicas, das sessões de gravação do disco que Tom Jobim e Frank Sinatra, o segundo interpretando as obras-primas do primeiro. A morte foi repentina, de ataque cardíaco, em sua casa, no Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste. Seu corpo foi cremado hoje de manhã, na presença da família.Num tempo em que as gravadoras multinacionais estavam descobrindo amúsica brasileira, Quartin criou a sua própria empresa de discos, paragravar o que ouvia nos bares de Copacabana, onde a bossa novaacontecia. O dinheiro não era muito, mas sobrava garra e faro pararevelar grandes músicos. Assim foi com Eumir Deodato, que gravou seuprimeiro disco por este selo, Vítor Assis Brasil, o pianista LuizCarlos Vinhas, do Bossa Três, e Tom Jobim, o pai musical de todos, dequem Quartin era fã e amigo. Os discos fizeram sucesso na época, mas a gravadora não se manteve, tal como aconteceu com a Elenco, irmã por afinidade criada por Aloísio de Oliveira. Quartin vendeu seu catálogo à Universal que não se interessou em editá-los todos em CD. Era um sonho do produtor que se foi sem realizá-lo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.