Produtor de show pirotécnico é condenado à prisão

Um ex-empresário de uma banda de rock, cujo show pirotécnico causou um incêndio em uma casa noturna no Estado de RhodeIsland, nos Estados Unidos, que matou 100 pessoas, foi sentenciado a quatro anos de prisão nesta quarta-feira. Daniel Biechele, de 29 anos, poderia ser condenado a passar até 10 anos atrás das grades mas fez um acordo com a promotoria em fevereiro, quando se declarou culpado pelo assassinato involuntário de 100 pessoas. "A maior sentença que poderíamos impor sobre você já foi imposta por você mesmo", disse o juiz Francis Darigan Jr. ao réu. A sentença veio depois de dois dias de testemunhos emocionados das famílias das vítimas, que falaram sobre as formaturas que nunca veriam, netos que nunca conheceriam e a dor que passaram depois da tragédia. Biechele era o empresário da banda de heavy metal Great White quando no dia 20 de fevereiro de 2003, ele acendeu um dispositivo que produzia chamas que acabaram atingindo a espuma no teto do Station, uma casa noturna em West Warwick, Rhode Island. A espuma era usada como isolante acústico pelos donos do estabelecimento depois que vizinhos reclamaram do barulho. A maioria das pessoas que morreram naquele dia foram sufocadas pela fumaça ou pisoteadas quando tentavam sair pela porta da frente. Biechele é a primeira pessoa a ser sentenciada pelo incêndio. Os donos do clube aguardam julgamento. Eles se pronunciaram sobre o acidente e pediram desculpas pelo ocorrido. Os donos do clube, Jeffrey e Michael Derderian, são acusados de instalar a espuma inflamável que alimentou as chamas e alegaram inocência da acusação de assassinato involuntário de 200 pessoas, cada um sendo acusado pela morte de 100 pessoas. Biechele disse que Michael Derdeian deu a ele permissão para usar os pirotécnicos no clube. Os Derderians negam essa afirmação. Os advogados de Biechele pediram ao juiz que tivesse misericórdia e sentenciasse o empresário a realizar trabalhos comunitários. Afirmando que ele admitiu sua responsabilidade e que sentia remorso, tendo até escrito cartas com pedidos de desculpas às famílias da vítimas, que serão entregues mais tarde. A promotoria pediu a pena máxima de 10 anos, sob o acordo que selaram em janeiro, quando ele se considerou culpado pelas mortes.O incêndio foi o quarto mais mortal a atingir uma casa noturna na história dos Estados Unidos. Biechele e os irmãos Derderians estão entre os dezenas de acusados em um processo na Corte Federal realizado pelos sobreviventes e parentes das vítimas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.