Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Produção do Rock in Rio promete mais bebedouros e banheiros

Já as dificuldades para deixar a Cidade do Rock de madrugada são consideradas insuperáveis diante do volume de 85 mil pessoas

Roberta Pennafort, O Estado de S. Paulo

24 de setembro de 2015 | 06h00

Para os próximos quatro dias do Rock in Rio, a organização promete mais bebedouros (o número subiu de 60 para 104) e mais estrutura nos banheiros (o entupimento foi frequente nos banheiros femininos, por culpa de maus hábitos de higiene das usuárias, segundo a produção). As dificuldades para deixar a Cidade do Rock de madrugada são consideradas insuperáveis, diante do volume de 85 mil pessoas presentes.

“Para a dimensão do evento, o BRT funcionou. Não tem como não ficar cheio. Mas, em menos de duas horas as, pessoas estão conseguindo embarcar, não ficam paradas para esperar o ônibus”, avaliou a vice-presidente do Rock in Rio, Roberta Medina. Foi observado um aumento do público do ônibus executivo chamado “primeira classe”, que tem ar condicionado e sai de 16 pontos preestabelecidos, ao custo de R$ 70: “Foram 25 mil pessoas, e a saída foi em menos de uma hora. É uma operação de guerra.”

As manobras na Cidade do Rock estão dificultadas nesta edição, Roberta apontou, por causa das obras do BRT, voltadas à Olimpíada de 2016, bem na porta do evento. O problema sumirá na edição de 2017. Há estudos para levar o Rock in Rio para outro terreno, mas por ora o Parque dos Atletas, que tem 150 mil metros quadrados, está mantido. “Tem uma série de conversas. Ali é apertado para a nossa operação, não é o ideal”, ela contou.

Roberta considerou como impacto positivo o agendamento do uso dos brinquedos - montanha-russa, roda gigante, tirolesa e pêndulo -, que liberou o público de longas filas, e afirmou que o vazamento de esgoto, provocado pela pane em uma das bombas, foi derivada da oscilação no fornecimento de energia elétrica, foi rapidamente resolvido.

A satisfação do público foi alta, conforme pesquisa feito pelo Ibope sob encomenda do Rock in Rio: 86% dos frequentadores do primeiro fim de semana disseram querer voltar em 2017. O Palco Mundo recebeu nota 9,4 - em 2013, foi 9,2.

O Palco Sunset tem sido apontado como um acerto nas redes sociais - o reencontro do ex-casal Pepeu Gomes e Baby do Brasil e as apresentações de John Legend e da banda Korn foram apontados como grandes momentos do festival por internautas. Nos dois últimos, a plateia chegou a 50 mil pessoas, calcula Zé Ricardo. 

“Foram momentos em que estava difícil de transitar. O Sunset atinge a vários públicos diferentes, e tem essa função de trazer as pessoas para o Rock in Rio mais cedo, para que aproveitem melhor a Cidade do Rock. Isso ajuda no trânsito”, acredita o curador.

Tudo o que sabemos sobre:
Rock in RioCulturaMúsica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.