REUTERS/Mike Blake
REUTERS/Mike Blake

Processo de Britney Spears volta a atrair atenção após documentário de TV

Brenda Penny, juíza do Tribunal Superior de Los Angeles, disse que o pai da cantora e uma empresa de fundo fiduciário recém-indicada precisam trabalhar juntos para desenvolver um plano de investimento que beneficiará Britney

Jill Serjeant e Rollo Ross, Reuters

12 de fevereiro de 2021 | 15h23

LOS ANGELES - O processo de Britney Spears voltou ao tribunal na quinta-feira, 11, e houve pouco progresso na questão cada vez mais polêmica de quanto tempo mais a estrela pop terá seus assuntos pessoais e profissionais controlados por outras pessoas.



Brenda Penny, juíza do Tribunal Superior de Los Angeles, disse que o pai da cantora e uma empresa de fundo fiduciário recém-indicada precisam trabalhar juntos para desenvolver um plano de investimento que beneficiará Britney.

A artista deixou claro no ano passado que não quer mais o pai envolvido em seus assuntos, mas em dezembro a juíza prorrogou sua curatela até setembro de 2021. Jamie Spears foi indicado como curador em 2008 depois que a cantora foi hospitalizada para tratamento psiquiátrico.

A audiência de quinta-feira, à qual Britney não compareceu em pessoa, aconteceu na esteira da exibição de um documentário de televisão na semana passada que renovou a atração pelo caso e pelo colapso amplamente divulgado da antiga sensação adolescente.

Nas redes socias, fãs e celebridades expressam apoio à cantora, hoje com 39 anos, com as hashtags #We'reSorryBritney e #FreeBritney.

 


Na segunda-feira, a revista Glamour emitiu um pedido de desculpas, dizendo "Somos todos culpados pelo que aconteceu com Britney Spears - podemos não ter causado sua derrocada, mas a financiamos".

Apoiadores da campanha #FreeBritney acreditam que ela está sendo mantida prisioneira e que está enviando sinais codificados em suas contas de redes sociais nos quais implora para ser libertada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.