Charles Sykes/Invision/AP
Charles Sykes/Invision/AP

Presidente do Grammy é demitida do cargo

Deborah Dugan estava sob licença administrativa desde meados de janeiro, quando foi afastada após uma queixa de abuso

AP e AFP, O Estado de S.Paulo

03 de março de 2020 | 21h00

A Academia de Gravação demitiu Deborah Dugan, a presidente afastada que questionou a integridade do processo de indicação ao Grammy e denunciou casos de abuso sexual cometidos por integrantes da organização, que ela chamou de "clube de garotos que favorece homens poderosos".

A Academia afirmou na segunda-feira, 2,  que tomou a decisão de demitir Dugan após "duas investigações independentes exaustivas e caras" sobre ela e suas queixas, alegando que as revisões encontraram "deficiências gerenciais e falhas constantes", embora não tenha fornecido detalhes.

Dugan estava sob licença administrativa desde meados de janeiro, quando foi afastada na véspera da cerimônia do Grammy, acusada de má conduta e intimidação.

A Academia disse na segunda-feira que esta era uma de várias reclamações que recebeu. Dugan havia levantado vários problemas sobre a maneira pela qual a organização opera e acusou seus principais membros de tratá-la inadequadamente durante uma reunião, detalhada em uma queixa apresentada à Comissão de Igualdade de Oportunidades de Emprego.

Dugan disse que a investigação não incluiu entrevistas com ela nem abordou suas queixas sobre conflitos de interesse e irregularidades no processo de votação. "Embora eu esteja decepcionada com este novo evento, não estou surpresa, dado o padrão da Academia de lidar com denúncias", disse ela em uma declaração. "Então, em vez de tentar reformar a instituição corrupta por dentro, continuarei trabalhando para responsabilizar quem continua trabalhando em benefício próprio, manchando o processo de votação do Grammy e discriminando mulheres e negros". 

Tudo o que sabemos sobre:
GrammyDeborah Duganmúsica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.