Prêmio Visa já tem seus 12 semifinalistas

O 5.º Prêmio Visa de MPB - EdiçãoVocal já tem seus 12 semifinalistas. Os classificados são, porordem de apresentação: Lucila Novaes, Alda Resende, o grupovocal Arirê, Renato Braz, Luciana Alves, Paula Santoro, Titane,Claudio Goldman, Camila Titinger, Marcelo Pretto, Banda de Bocae Clarice Grova.A escolha dos semifinalistas foi feita após a última dasseis eliminatórias do prêmio, realizada na noite da quarta-feira, no Espaço Promon. Participaram das eliminatórias 24 candidatos,escolhidos entre os quase 2 mil que se inscreveram, cantores,cantoras e grupos vocais de todo o País.A eliminatória da quarta-feira teve as participações dogrupo vocal baiano Banda de Boca, do paulista (de São Carlos)André de Souza, do carioca (radicado em São Paulo) WaukeWakabaiashi e da também carioca Clarisse Grova. Ela e a Banda deBoca vão para a próxima etapa.Pelas regras do Prêmio Visa, o júri não escolhecandidatos de cada noite; considera as seis eliminatórias, os 24concorrentes e, deles, seleciona os 12 semifinalistas. Serãotrês provas semifinais, com quatro intérpretes apresentando-sepor noite. As semifinais estão marcadas para os dias 5, 10 e 19de junho.Dos semifinalistas, sairão os cinco finalistas, que seapresentarão no dia 19 de julho. Eles vão disputar R$ 200 mil emprêmios, sendo que o grande vencedor ganha metade dessa quantiae o direito de fazer um disco pela Gravadora Eldorado. O segundocolocado recebe R$ 50 mil; o terceiro, R$ 30 mil. E os outrosdois (não há classificação de quarto e quinto lugares) recebemR$ 10 mil, cada um. Além de poder pôr no currículo: "Finalistado Prêmio Visa."Não é pouco. Sendo o mais importante e prestigiadoconcurso da música brasileira, virou item de distinção para osque dele participam. E tem servido de ajuda fundamental para odeslanchamento de carreiras - foi assim com o pianista AndréMehmari e o contrabaixista Célio Barros, que empataram, emprimeiro lugar, na primeira edição do prêmio, em 1998, dedicadaa instrumentistas.Continuou sendo assim para a cantora Mônica Salmaso,vencedora da segunda edição, no ano seguinte, que contemplouintérpretes vocais; também para o Dante Ozzetti, primeiro lugarna edição de 2000, de compositores; de novo, para o violonistaYamadú Costa, que, no ano passado, ganhou o quarto Prêmio Visa(pela segunda vez dedicada a instrumentistas, como esta, emcurso, é a segunda dedicada a cantores).Embora o prêmio tenha recebido inscrições do Brasilinteiro, os finalistas vêm de quatro Estados: São Paulo, Rio deJaneiro, Bahia e Minas Gerais. Da primeira eliminatória, ficarampara as semifinais a paulista (de Avaré) Lucila Novaes e amineira Alda Rezende; de São Paulo são o quarteto Arirê e ocantor Renato Braz, bem como Luciana Alves; Paula Santoro é deMinas, como Titante. Claudio Goldman, Camila Titinger e MarceloPretto são paulistas. Sempre seguindo a ordem de apresentação: aBanda de Boca vem da Bahia e Clarisse Grova, do Rio.Das eliminatórias participaram três grupos vocais, doisdos quais classificados para as semifinais. É um dado curioso -os grupos vocais foram moda brasileira antes e depois da bossanova, até os anos 70, quando surgiu o Boca Livre. Nas duasdécadas seguintes, não apareceu nenhuma formação digna de nota.Pois parece que o formato está novamente em voga, com conjuntosfazendo música sofisticada, elaborada, estudada.Mulheres - O prêmio confirma, até a gora, também, apresença maior de vozes femininas: estão nas semifinais setecantoras, contra três cantores.Outro dado a observar: o repertório dos concorrentes(com poucas exceções) baseia-se nos clássicos da músicabrasileira dos anos 30 aos 60 - Noel Rosa, Ary Barroso, TomJobim, Edu Lobo, Hermeto Paschoal estão sempre presentes. Háquem se pergunte se não há autores novos dignos de figurar nosrepertórios. A resposta é: há, sim, autores novos, excelentes,que, no entanto, não são conhecidos do público (o meio musicalos conhece). A velha questão da política assassina da maioriadas emissoras de rádio e televisão, com certa conveniência dejornais e revistas.O próprio Prêmio Visa, em sua edição para compositores,mostrou uma quantidade de autores que poderiam constar dasparadas de sucesso, se as paradas ainda refletissem o que seproduz de qualidade no País. O prêmio cumpre, assim, a função derenovar os quadros da boa música brasileira. Resta que sejapermitido a eles chegar ao público. Pois o público os quer.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.