Prêmio Visa faz segunda eliminatória

O Espaço Promon abrigou ontem a segunda eliminatória do 5.º Prêmio Visa MPBVocal. Quatro concorrentes apresentaram-se em busca de uma vagana final do prêmio - produzido pela Rádio Eldorado e patrocinadopelos cartões Visa -, que vai entregar aos cinco primeiroscolocados um total de R$ 200 mil. Ao todo, são 25 concorrentes.As primeiras a se apresentar foram as integrantes doGrupo Vocal Arirê: Gabriella Rossi, Mônica Olivetti, SelmaBoragian e Virgínia Rietmann. Elas iniciaram sua apresentaçãocom duas homenagens a grupos vocais das décadas de 30 e 40, comoo Bando da Lua. O primeiro pot-pourri trouxe Amei Lalá, deBraguinha e Alberto Ribeiro, Adivinhação, de Assis Valente,e Segure na Mão, de Enéas e Martinez Grau.Na seqüência, cantaram Eu Quero um Samba, de HaroldoBarbosa e Janet de Almeida, e fizeram uma homenagem a DorivalCaymmi (Pescaria, É Doce Morrer no Mar e Vento). O Arirê(palavra que, em guarani, significa "e aí?" e, em tupi,"cantar") encerrou sua performance com Canto da Ema, deJoão do Vale, Aires Viana e Alventino Cavalcanti, arrancandoaplausos da sua torcida organizada, presente no Promon.Uma torcida "importada" de Minas Gerais - com direito afaixa e camisetas - também acompanhou a apresentação de seuconterrâneo, de Itajubá, Rafael Toledo, que se apresentou emseguida. Toledo, que em 2001 lançou seu primeiro CD-solo,Climas, começou com Refazenda, de Gilberto Gil, e partiupara uma "homenagem ao som de Minas" com Beijo Partido, deToninho Horta, Gago Apaixonado, de Noel Rosa, e Eu meRendo, de Sérgio Sá.Após o intervalo, foi a vez de Renato Braz subir aopalco, empolgando o público com O Amor, de Caetano Veloso,Anabela, de Mário Gil e Paulo César Pinheiro, A SaudadeMata a Gente, de João de Barro e Antônio Almeida, e Brejo daCruz, de Chico Buarque.A última a passar pela prova foi a carioca PatríciaMello que, logo de cara, afirmou que, com sua mistura da MPB como pop, defendia o Piauí, uma vez que lá viveu a maior parte desua vida. Iniciou com a música Sem Amor, parceria sua comEugênio Dale, que fez parte da trilha da novela Porto dosMilagres. Em seguida, cantou Velho Piano, de Dori Caymmi, ePaulo César Pinheiro, e Baião de Lacan, de Guinga e AldirBlanc, encerrando a apresentação com Ai, ai, ai, ai, ai,composição de Ivan Lins e Vitor Martins.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.