AP Photo/Chris Pizzello
AP Photo/Chris Pizzello

Post Malone, Billie Eilish e Bad Bunny triunfam no Billboard Music Awards

O rapper Post Malone conquistou nove troféus na primeira grande premiação de gala realizada em um palco físico desde o início da pandemia

EFE, O Estado de S.Paulo

15 de outubro de 2020 | 04h19

LOS ANGELES - O rapper Post Malone conquistou nove prêmios e varreu o Billboard Music Awards nesta quarta-feira, 14, a primeira grande premiação de gala realizada em um palco físico desde o início da pandemiaTambém triunfaram Billie Eilish e o porto-riquenho Bad Bunny.

O mítico Dolby Theatre de Los Angeles (EUA), sede anual do Oscar, estava preparado para organizar uma gala ao vivo, com apresentações e convidados, mas sem público, em uma nova tentativa de adaptação dos grandes eventos do mundo do entretenimento à pandemia causada pelo novo coronavírus.

Após alguns Emmy Awards que trouxeram as câmeras até a casa dos vencedores, a cerimônia reuniu no mesmo palco um bom número de artistas, de Alicia Keys a John Legend, para comemorar os prêmios concedidos pela instituição que mede o desempenho comercial de música na América. Ao contrário do Grammy, votado por especialistas do setor, o Billboard Awards reconhece os mais vendidos do ano.

Post Malone arrasa e Billie Eilish continua fazendo história

Depois de assinar um dos álbuns mais vendidos do ano passado, "Hollywood's Bleeding", e apesar de ser ignorado no Grammy, Post Malone arrebatou os prêmios do Billboard ao levar o troféu mais importante da noite, o melhor artista, junto com oito outras estatuetas.

“Sinceramente, fico impressionado com o amor que todos me demonstram”, disse o artista no final da noite, quando a anfitriã do evento, Kelly Clarkson, apareceu com um carrinho carregando todos os prêmios.

Malone venceu a outra grande estrela da noite, Billie Eilish, a jovem de 18 anos que fez história no início deste ano ao vencer todas as quatro categorias do Grammy.

"Por favor, votem e usem máscara. Tomem cuidado", disse ela no palco, usando uma máscara, depois de receber o prêmio de melhor artista feminina, nova artista e álbum de maior sucesso por seu aclamado "When We All Fall Asleep, Where Do We Go? ".

Com seu duplo triunfo na Billboard e no Grammy, a cantora de "Bad Guy" se confirma como uma voz capaz de unir sucesso comercial com aclamação da crítica.

O grupo sul-coreano BTS teve o maior número de votos da base de fãs enquanto Lizzo foi coroada a autora com melhores vendas. Lil Nas X e Billy Ray Cyrus assinaram a música mais tocada da temporada e o músico country Garth Brooks recebeu um prêmio de honra por sua carreira.

Bad Bunny ganha entre latinos e lança mensagem contra o machismo

O porto-riquenho Bad Bunny, por sua vez, venceu entre os artistas latinos, à frente de Anuel AA, J Balvin, Ozuna e Romeo Santos. “Chega de violência machista, vamos educar agora, no presente, para um futuro melhor”, disse em espanhol no palco.

“Não sou um artista com mensagem social, essa música não é sobre mensagem social, mas vamos aprender que você pode dançar, ser educado e respeitoso ao mesmo tempo. Se ela não quiser dançar com você, respeite. Ela dança sozinha”, disse ele depois apresentar seu hit "Yo Perreo Sola" com Ivy Qeen e Nesi.

Fora da cerimônia, a organização proclamou J Balvin e Bad Bunny como os vencedores do melhor álbum latino por "Oasis". Maluma, Farruko, Romeo Santos e Sech foram os demais indicados da categoria.

John Legend dedica apresentação à esposa que sofreu um aborto 

O momento mais emocionante da noite foi a apresentação que John Legend dedicou à sua esposa, Chrissy Teigen, apenas duas semanas depois de ela ter sofrido um aborto.

“Isto é por Chrissy: nós temos algo bom, querida. Enquanto a vida for dura. Nós nunca perderemos nosso caminho. Porque nós dois sabemos quem somos”, ele disse antes de tocar a balada “Never Break” no piano.

Um evento de gala sem público, frio e cheio de pedidos de voto

A experiência da cerimônia, realizada em um grande palco sem público, demonstrou o quão frias são as emissões sem audiência ao vivo na televisão. Apesar dos aplausos pré-gravados e da euforia dos participantes, houve momentos de silêncio.

Apenas os pedidos de voto, 20 dias antes das eleições nos Estados Unidos, aumentaram a intensidade do evento. Lizzo foi especialmente insistente no assunto, usando um vestido que tinha a palavra “VOTE” gravada várias vezes: “Use sua voz, seu voto e não rejeite seu poder”, insistiu./EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.