Divulgação
Divulgação

Por questões judiciais, Rita Ribeiro e Anna Luisa mudam de nome

Casos de troca de nomes são comuns - Zélia Duncan e Gal Costa foram bem sucedidas na escolha

Lauro Lisboa Garcia,

27 Agosto 2012 | 20h09

Rita Ribeiro disse adeus. Tomou seu lugar Rita Benneditto. Anna Luisa é coisa do passado. Foi substituída por Anna Ratto. Lily Allen morreu. Renasce agora como Lily Rose Cooper. As duas cantoras brasileiras decidiram mudar de nome recentemente por motivos semelhantes: não ser confundidas com homônimos. Já a inglesa adotou o nome de casada, depois de se unir a Sam Cooper.

Rita fez o primeiro show com o novo nome em São Paulo no sábado e prepara álbum com canções inéditas de Nei Lopes e Arlindo Cruz e reinterpretações de clássicos de Edu Lobo, Tom Jobim e Jorge Ben Jor, que um dia foi Jorge Ben. Disse ele que era para desfazer a confusão com George Benson, para quem era desviada boa parte de seus direitos autorais.

Se no exterior, os casos de mudança de nomes são raros - como Prince que, por um tempo, usou um símbolo impronunciável como identidade artística, mas voltou atrás diante do fiasco da ideia -, no Brasil há um longo histórico de trocas, por motivos que incluem questões jurídicas, superstição e crença na numerologia. Por isso, Sandra Sá virou de Sá e Luli acrescentou um "h" (veja lista abaixo).

"Há algum tempo descobri a existência de nomes artísticos coincidentes com o meu, inclusive em Portugal e, recentemente, descobri que a minha marca havia sido registrada", diz Rita Benneditto. "Diante da possibilidade de um longo e desgastante processo judicial e como tenho uma relação profunda com as coisas sagradas e os mistérios da vida, optei pela mudança do nome, iniciando um novo ciclo da minha carreira artística."

A ex-Anna Luisa, que acaba de lançar o primeiro CD com o novo sobrenome, teve o mesmo problema ao ser confundida com a cantora paulista Ana Luiza, parceira de Luis Felipe Gama. "O meu caso também foi questão jurídica. Não foi uma mudança voluntária, de forma alguma", diz Anna Ratto. "Ela sentiu que começou a haver certa confusão acerca dos nossos trabalhos e me enviou notificação, através do advogado, alegando prejuízos de toda sorte", conta. "Eu não a conhecia ainda, na época. Mas até prazo pra mudar de nome eu tinha: 30 dias! Foi bem estranho." Tanto ela como Rita não pensaram antes em registrar o nome como marca. "Achei que era coisa pra grupos, bandas", diz Anna.

Ela então optou pelo sobrenome de batismo, Ratto. E Rita escolheu um que ao mesmo tempo serve de homenagem ao pai, que se chamava Fausto Benedito Ribeiro, e a sua terra natal, São Benedito do Rio Preto (interior do Maranhão). Há também um componente religioso nisso. "Benedito tem origem no latim, Benedictus, que significa abençoado, louvado, consagrado."

Riscos. Com dois álbuns lançados como Anna Luisa, a cantora diz que tem colhido "bons frutos" desde passou a assinar Ratto. Como ela não era tão conhecida, a mudança não foi tão grave. "Deu um trabalhinho cuidar dessa associação Anna Luisa = Anna Ratto. Isso aconteceu em 2009, eu ainda falo muito nisso, e acho que vou continuar durante um bom tempo. Sem problemas. Acho importante. Ao mesmo tempo, muita gente passou a conhecer o meu trabalho só agora, já como Anna Ratto."

Rita já tem carreira mais longa e é mais popular do que Anna. E diante do histórico de fracassos que ocorrem com mudanças de nomes no Brasil, ela demonstra certa preocupação. "Tenho total consciência do que pode ocorrer em função de uma mudança tão radical como esta, mas não tenho medo de correr riscos e sou da opinião de que toda mudança é sempre pra melhor", diz Rita. "Tive fortes motivos pra mudar o nome, mas, acima de tudo, fiz isso por consciência e vontade próprias. Acredito no compromisso e perenidade da minha arte e sei que é apenas uma questão de tempo pra que todos aqueles que me conhecem e apreciam o que faço se acostumem com a mudança do nome para Rita Benneditto."

Pouca diferença. Sem motivos graves, há também diversos artistas que apenas mudam a grafia do nome. Dona Ivone Lara já assinou Yvonne, Cida Moreira no início da carreira foi Moreyra, Elizeth Cardoso também podia ser Elisete. Na rápida passagem pela CBS, Elis Regina lançou um disco como Ellis, porque a gravadora tinha intenção de projetá-la internacionalmente. Por razões semelhantes, Silvia Telles passou a assinar Sylvia. Antonio Carlos Jobim só é conhecido como Tom no Brasil. Enquanto uns suprimem sobrenomes ou apelidos, outros acrescentam. Marisa Gata Mansa virou apenas Marisa, enquanto Marina adicionou o sobrenome Lima, como Joyce que agora também tem o adendo Moreno. Chico Buarque também estreou com o sobrenome "de Hollanda". Alzira Espíndola agora é Alzira E.

O problema maior parece ser mesmo com homônimos, em que um dos dois sai perdendo. É o caso de uma cantora Maria Rita, que teve de mudar o nome para Rita Maria para não ser confundida com a filha de Elis Regina. Pouco se ouviu falar dela depois. Quando se cita Armandinho, poucos hoje vão ligar o nome ao músico baiano - craque do bandolim e da guitarra baiana, que lançou os primeiros discos como Armando Macedo -, mas ao cantor de reggae e surfista catarinense, mais popular entre os jovens.

Em Minas há um Pedro Morais, que difere por uma letra do carioca Pedro Moraes. João Bosco já não é só o parceiro de Aldir Blanc. Há também a famosa metade de uma dupla sertaneja que faz par com Vinícius (e não é o de Morais). A Maria Alcina portuguesa nunca teve problemas com a brasileira. E vice-versa.

Um dos poucos casos bem-sucedidos de troca de identidade é o de Zélia Duncan, que lançou apenas o primeiro LP como Zélia Cristina. Gal Costa teve só um compacto como Maria da Graça, o que nesse caso é insignificante. E Gonzaguinha adotou o apelido naturalmente. Já Baby do Brasil nunca fez o mesmo sucesso que Baby Consuelo e Jorge Ben Jor mudou não só de nome como de estilo e nunca mais foi tão bom.

AGORA                                                                                            

1. Baby do Brasil

2. Jorge Ben Jor

3. Zélia Duncan

4. Sandra de Sá

5. Rosa Marya Colin

6. Lucina

7. Luhli

8. Gonzaguinha

9. Joyce Moreno

10. Gal Costa

COMO ERA

1. Baby Consuelo

2. Jorge Ben

3. Zélia Cristina

4. Sandra Sá

5. Rosa Maria

6. Lucinha e Lucinda

7. Luli

8. Luiz Gonzaga Junior

9. Joyce

10. Maria da Graça 

Mais conteúdo sobre:
MPBmudança de nome

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.