Polícia de LA diz que não há provas contra Michael Jackson

Uma investigação de dois meses não encontrou provas que respaldem a acusação de que o cantor Michael Jackson cometeu abusos contra um menor no final da década de 1980. ?Depois de uma ampla investigação, que incluiu horas de depoimentos, os detetives concluíram que não há provas de que tenha havido o crime?, declarou o tenente Art Miller, da polícia de Los Angeles, nesta quarta-feira, por meio de um comunicado.A investigação começou depois que um homem, cujo nome não foi revelado, afirmou ter sido abusado pelo astro quando era criança. Segundo especialistas em Direito, dois problemas principais contribuíram para o encerramento do caso: não se sabe por que a acusação não foi apresentada antes e testemunhos de fatos ocorridos há tantos anos perdem a credibilidade.O processo movido em Los Angeles é independente do caso de abuso sexual que Jackson teria cometido contra um menor, que está em andamento em Santa Barbara. Os advogados do cantor não foram localizados nesta quarta-feira para comentar o assunto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.