Planet Hemp volta com show para maiores

Adivinha, doutor, quem está de volta na praça? Indubitavelmente, é o Planet Hemp, que estréia show amanhã (01) no antigo Palace, atual DirectTV Music Hall, em Moema, com cenário de Gringo Cardia e os reforços de João Gordo (Ratos de Porão) e Seu Jorge (ex-Farofa Carioca). De novo sob a liderança de Marcelo D2, que andou fora da banda uns tempos e retornou à irmandade para fazer o disco A Invasão do Sagaz Homem-Fumaça, o grupo retorna inspirando cuidados das autoridades, para variar. Tanto que seu show é recomendado para maiores de 18 anos, sem justificativa plausível. A lei da propaganda antitabagista nem passou ainda pelo Senado... O Planet Hemp já virou uma espécie de referência geracional. Representa de tal forma um tipo de pensamento e estética que seu homem de frente, Marcelo D2, bateu frontalmente contra o líder de uma outra corrente, Caetano Veloso, na recente entrega do prêmio Video Music Brasil da MTV. "Dá na cara dele!", teria dito a mulher de Caetano, Paula Lavigne, após entrevero entre o cantor baiano e o carioca. "O papo começou amigável e depois ele quis partir para a briga", lembra D2. "Mas eu não sou louco, não vou cair no braço com o Caetano", diz. D2 não vê choque de gerações nesse conflito. "Eu não sei se somos tão opostos assim, não tenho essa coisa muito clara mas sei que não é um artista que me influenciou", diz. "Eu fui influenciado por Beth Carvalho, Martinho da Vila, outro tipo de som brasileiro, o que me deixa bastante longe dele", pondera. Marcelo D2 não vê nem a si nem a sua banda, o Planet Hemp, fazendo algum dia algo que se aproxime da corrente principal da MPB. "A minha galera cresceu ouvindo rap, hip-hop, cinema americano e, na hora de fazer um som, essas influências vazam, é essa a nossa realidade", afirma. "Não me importo de tocar ou fazer algo com alguém de outra praia musical, mas é preciso ter alguma ligação", ele diz. A Invasão do Sagaz Homem-Fumaça, o disco, traz convidados como o produtor Mario Caldato, de Sean Dog (do Cypress Hill) e a participação de três MC´s, um DJ, um guitarrista, um baixista, um baterista e um tecladista - ou seja dos oito integrantes da banda. Agora, nove, já que eles acabam de incorporar também o folclórico vocalista Seu Jorge, ex-integrante da banda Farofa Carioca. Os vocais de Sean Dog na faixa Quem Tem Seda?. serão trocados pelos urros de João Gordo. Com tantos agregados na banda, ainda assim já é possível viver profissionalmente de hip-hop hoje no Brasil? "Eu tenho dois filhos e sustento minha família com isso, pago as contas com esse trabalho", diz D2. "Bem administrado, dá para viver." Bem administrado e com um inacreditável grau de independência artística. O disco mais recente do Planet Hemp foi gravado no estúdio caseiro que D2 montou na sua casa em Laranjeiras - o lado estúdio suplantou o doméstico e ele teve de se mudar. "A liberdade é maior porque você não tem o taxímetro rodando, não tem de pagar estúdio caro", diz. O novo trabalho vai ser predominante no show, avisa D2. O show terá 1 hora e 40 minutos de duração, com "dez minutos de intervalo para a cerveja e o cigarro". Serviço - Planet Hemp. Sexta e sábado, às 22 horas; e domingo, às 20 horas. R$ 20,00 (pista) e R$ 40,00 (camarote). DirecTV Music Hall. Alameda dos Jamaris, 213, tel. 5643-2500. Até 3/9

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.