Planet Hemp volta ao ataque com novo CD

Dois anos após a prisão em Brasília de seus integrantes, acusados de fazer apologia da maconha, a banda carioca Planet Hemp está de volta e disposta a fazer muito barulho. A Invasão do Sagaz Homem Fumaça (Sony Music). Terceiro álbum do conjunto, com lançamento nacional previsto para sexta-feira, o novo álbum mantém as características "subversivas" que tornaram a banda sucesso entre os jovens brasileiros. O novo hit Ex-quadrilha da Fumaça já está tocando nas rádios paulistanas. O refrão da música é um aviso aos censores de plantão: "adivinhe doutor quem está de novo na praça? Planet Hemp ex-quadrilha da fumaça".A Invasão... foi dirigido musicalmente pelo produtor Mario Caldato Jr., que já tinha participado das gravações de Os Cães Ladram mas a Caravana não Pára. "O Mario já faz parte da família. Nós sempre tivemos problemas com produtores, mas ele sabe como ninguém fazer com que o som do Planet soe da maneira como gostamos", diz o vocalista Marcelo D2. Sonoramente, o novo disco é uma mistura do que a banda fez nos trabalhos anteriores. "Continuamos investindo bastante no hip-hop, mas voltamos a dar mais ênfase às guitarras", completa D2.O novo disco é também o mais bem tocado do conjunto. "As pessoas irão se assustar quando ouvirem e perceberem que nós estamos dominando muito melhor os instrumentos e tratando os arranjos com maior profissionalismo", diz D2. A Invasão... mostra um Planet Hemp mais político, antenado com a realidade social e bastante crítico. A luta pela legalização da maconha não foi esquecida, mas cedeu espaço a novos assuntos. "Os outros trabalhos foram temáticos: no primeiro, tratamos da legalização; e no segundo, da liberdade de expressão", diz o vocalista. "Foi legal, mas não podemos ficar falando apenas disso para sempre."O título do disco é uma criação do guitarrista Rafael. Trata-se de uma referência ao cidadão comum. "Malandro no Brasil é aquele que consegue sobreviver sem passar a perna em ninguém. É sobre esse cara que estamos falando", explica D2. O disco foi gravado em Laranjeiras, na antiga residência de Marcelo D2, transformada em quartel-general da banda. "Passamos 45 dias compondo e morando juntos. Quando entramos no estúdio não tínhamos nada pronto. Ficamos lá criando e gravando durante mais de um mês, numa média de uma música a cada dois dias", lembra D2. Aproveitando o lançamento de A Invasão..., o Planet Hemp está de malas prontas para sua primeira turnê norte-americana. Datas na costa leste já estão acertadas e os organizadores do giro também pretendem marcar shows no lado oeste. Segundo D2, é grande a possibilidade de o disco ser lançado nos Estados Unidos. A banda também pretende ir a Portugal, país no qual estiveram se apresentando em 1998. Sem se preocupar com as liminares que impedem a banda de se apresentar em cidades brasileiras como Salvador, Curitiba e Vitória, o Planet Hemp percorrerá todo o território nacional com a nova turnê. "Tocaremos inclusive em Brasília", provoca D2. "Só não quero ser preso."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.