Plácido Domingo promete voltar ao Brasil para a Copa do Mundo de Futebol

Tenor esteve em Fortaleza e admitiu mudanças em apresentações devido ao atual alcance da voz

Lauriberto Braga - Especial para o Estado,

16 de agosto de 2012 | 18h24

FORTALEZA - Depois de mais duas décadas sem vir ao Brasil, o tenor espanhol Plácido Domingo esteve em Fortaleza para única apresentação na quarta-feira, 15. Em entrevista coletiva após a apresentação no novo Centro de Eventos do Ceará, para uma plateia seleta de 3 mil convidados, Plácido Domingo, prometeu voltar ao Brasil ano que vem para a Copa das Confederações e em 2014 para a Copa do Mundo de Futebol. Apaixonado por futebol, o tenor vem torcer pela Seleção da Espanha. Disse que "espero voltar a Fortaleza em breve", num português arrastado.

Plácido Domingo na apresentação de exatos 80 minutos levou a plateia ao êxtase com 15 peças internacionais do cancioneiro brasileiro. Destaque para Aquarela do Brasil, Cidade Maravilhosa, Garota de Ipanema, Santa Morena e João e Maria. Encantou ainda ao lado das sopranas alemã Micaëla Oeste e da norte-americana Angel Blue com A Terra dos Sorrisos, Besame Mucho, Zampa, Perhaps Love, Act I Trio, Tonight, Over the Rainbow e Granada.

"Eu nunca tinha estado em Fortaleza e tive uma grande alegria em pouco tempo de três dias ter tido um tempo muito agradável", disse o tenor na coletiva. Para ele, a opção de músicas brasileiras foi uma homenagem ao País: "Ao planejarmos a apresentação pensamos em música para o Ceará, para o Brasil. Por isso ensaiamos Aquarela do Brasil, Garota de Ipanema e outras", disse acrescentando que "cada vez mais ficamos entusiastas da Música Brasileira".

Na coletiva ele admitiu mudanças em suas apresentações devido o atual alcance de sua voz. Hoje com 71 anos de idade, o tenor fez adaptações intercalando sua voz com de outras sopranas e convidados. Das 15 músicas executadas na sua apresentação, ele cantou integralmente sete e abriu espaço até para a sanfona da dupla cearense Italo e Renno.

A apresentação agradou a todos e até o humorista cearense Tom Cavalcante que veio logo depois de Plácido Domingo se arriscou a imitar o tenor.

Pela apresentação, Plácido Domingo embolsou R$ 3 milhões. O cachê do show foi explicado pelo governador do Ceará, Cid Gomes (PSB): "Esse é um equipamento que tem que vender os espaços, e o público que compra espaços, que realiza feiras, é um público que está muito centrado no Sul do País. Ou a gente atrai essas pessoas para cá ou a gente vai ficar com equipamento aqui que não vai ser usado. Então, eu acho que a melhor forma é fazer o que nós fizemos, um grande evento, com uma atração internacional, e, dessa forma, a gente ter trazido para cá as principais autoridades, e são os nossos potenciais compradores, estamos vendendo aqui o espaço. O que aconteceu hoje aqui foi um evento dirigido para os contratadores, para os futuros clientes do equipamento".  

Mais conteúdo sobre:
Plácido DomingoFortaleza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.