Phil Spector é acusado de assassinato

O produtor musical Phil Spector foi acusado, em um processo iniciado hoje, de assassinar a tiros uma atriz de filme B em sua mansão no ano passado. Spector, de 64 anos, apoiou-se no braço de seu advogado enquanto a acusação do assassinato de Lana Clarkson, de 40 anos, foi lida, mas não se mostrou emocionado. Fora da corte, ele reclamou da promotoria, comparando o advogado Steve Cooley a Adolf Hitler. "As ações deste promotor do tipo Hitler e sua equipe são repreensíveis, inconscientes e covardes", disse Spector, que está em liberdade após pagar uma fiança de US$ 1 milhão. Ele falou brevemente na corte, respondendo apenas "Sim, meritíssimo", às perguntas do juiz David S. Wesley. A data mais próxima em que o julgamento poderá ocorrer é 16 de dezembro. Spector, que na década de 1960 criou a técnica de gravação conhecida como "Wall of Sound" (Parede de Som) para músicas de rock, insinuou em uma entrevistas à revista Esquire que Lana havia cometido suicídio. O juiz decidiu que o julgamento deve ser realizado em Los Angeles, em vez de Pasadena, que fica mais perto da casa de Spector em Alhambra. A acusação evitou audiências preliminares, levando o caso direto ao grande júri. A promotora Sandi Gibbons disse que isso foi feito em parte para evitar qualquer demora em levar Spector a julgamento pelo tiroteio de 3 de fevereiro de 2003. "Faz quase dois anos que senhora Clarkson foi morta na casa do senhor Spector e já é hora de haver um julgamento", ela disse. A acusação não está pedindo a pena de morte, mas Spector pode receber a prisão perpétua, com a possibilidade de ser solto em condicional, se condenado. Lana estrelou o clássico do cinema cult, Barbarian Queen, de Roger Corman. Ela trabalhava como recepcionista no restaurante House of Blues, na Sunset Strip de Hollywood, de onde ela foi para a casa de Spector na noite em que foi assassinada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.