Pedido resgate das irmãs da cantora Thalía

Uma fonte ligada a Laura Zapata, a atriz que foi seqüestrada no México, juntamente com Ernestina Sodi, ambas irmãs da cantora Thalía, revelou a uma emissora de rádio local que os seqüestradores pediram um resgate de US$ 1 milhão para libertá-las.Shanik Berman, apresentador do programa radiofônico La Crema y Nata, disse à Associates Press nesta quinta-feira, por telefone, ter divulgado que os seqüestradores diminuíram o pedido de resgate de US$ 10 milhões para US$ 1 milhão de dólares, o equivalente a dez milhões de pesos mexicanos.As irmãs da estrela de televisão mexicana, esposa do diretor-geral da Sony Enternainment, Tommy Mottola, estão desaparecidas desde domingo, depois de deixarem um teatro no centro da capital, onde Laura atuava na peça A Casa de Bernarda Alba. Laura Zapata, nome artístico de Laura Sodi Miranda, é uma atriz bastante conhecida no país, tendo atuado em mais de dez novelas da rede Televisa. As autoridades reiteraram sua decisão de manter-se fora do caso a pedido da família Sodi Miranda. Os investigadores buscavam somente pistas sobre um dos veículos envolvidos no seqüestro, que foi encontrado abandonado ao lado do automóvel usado pelas duas irmãs.O chefe da polícia da Cidade do México, Berbardoi Bátiz, disse que na investigação que está sendo feita nos veículos, foram encontradas impressões digitais que serão cotejadas com os arquivos policiais, entre outras evidências que não poderiam ser divulgadas para não colocar em risco a vida das vítimas. As autoridades não descartaram a possibilidade de interrogar Antonio López, um assistente de Laura Zapata, que presenciou o seqüestro à distância.Segundo matéria publicada no jornal Reforma, o radialista Shanik Berman disse que Ernestina Sodí não tem uma situação financeira sólida. "Aa última conversa que tivemos foi justamente sobre nossa batalha para sobreviver". Berman acrescentou que Thalía e Mottola encontram-se atualmente no México, envolvidos na solução do caso e que não desejam nenhuma intervenção da polícia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.