WERTHER SANTANA/ESTADÃO
WERTHER SANTANA/ESTADÃO

Paulo Ricardo na Variant: 'O Brasil não é rock and roll'

Paulo Ricardo, passageiro da série 'Na Variant', fala de como o grupo RPM 'adotou' as fãs órfãs dos Menudos depois da passagem dos portorriquenhos pelo País, lembra dos anos de estouro da banda e fala de sua conversão para a carreira solo como cantor romântico

O Estado de S.Paulo, O Estado de S.Paulo

17 de dezembro de 2019 | 18h31

No passeio pelo Jardins, perto do apartamento de seu pai, Paulo Ricardo lembra dos tempos de estouro de seu ex-grupo, RPM, que vendeu mais de 3 milhões de cópias. "Pegamos um cenário preparado pela passagem dos Menudos", ele diz, às vésperas de ter o primeiro álbum da banda completando 35 anos. Conta dos dias em que os músicos chegaram a andar de carro forte em duas cidades brasileiras para ficarem protegidos do assédio dos fãs e diz que "o Brasil não é rock and roll", comparando com a força de gêneros como sertanejo e samba. E ainda, ao final, cantou a balada 'Dois'. O próximo passageiro da Variant será Ney Matogrosso.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.