REPRODUCAO/INSTAGRAM
REPRODUCAO/INSTAGRAM

Paulinho do Roupa Nova morre aos 68 anos

Músico era percussionista e vocalista do Roupa Nova, apesar de ser mais conhecido por suas interpretações

Guilherme Sobota e Julio Maria, O Estado de S. Paulo

14 de dezembro de 2020 | 21h55
Atualizado 15 de dezembro de 2020 | 18h56

O cantor Paulo César Santos, o Paulinho do Roupa Nova, morreu nesta segunda-feira, 14, aos 68 anos. Ele estava internado em um hospital na zona sul do Rio e teve falência múltipla dos órgãos após uma parada cardiorrespiratória. A internação veio a público no último dia 4 de novembro, quando ele testou positivo para a covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Na ocasião, ele já estava há cerca de dois meses se recuperando de um transplante de medula óssea no Complexo Hospitalar de Niterói (CHN).

"As luzes do palco se apagaram. Infelizmente o nosso querido Paulinho não resistiu", escreveu a banda em sua página oficial nas redes sociais.

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

A post shared by Roupa Nova (@roupanova)


Paulinho chamava-se, de batismo, Paulo César dos Santos. Nascido no Rio a 6 de setembro de 1952, era percussionista e vocalista do Roupa Nova, apesar de ser mais conhecido por suas interpretações. Sua história na música começa ainda na década de 1970, quando passa a formar a banda de bailes Los Panchos Villa, com os também amigos de Roupa Nova Kiko e Feghali. Depois de um convite feito por um dos integrantes do grupo Os Famks, migrou de conjunto e levou consigo o guitarrista Kiko.

Uma das vozes mais potentes do Roupa Nova, ele tinha como sucessos obrigatórios de serem cantados nos shows canções como Canção de Verão, Clarear, Sensual, Volta pra mim, Whisky a Go-Go, Linda Demais, Meu Universo É Você, De volta pro futuro, Asas do Prazer, Os Corações não São iguais, Maria Maria e Felicidade, dentre várias outras. Ele chegou a gravar com o Roupa Nova vocais com importantes nomes da música, como o grupo The Commodores, em Esse Tal de Repi Enroll. Ivete Sangalo (em O Sal da Terra) e Elba Ramalho (em Fé Cega, Faca Amolada) também fizeram parcerias, além de Marjorie Estiano, Fresno, Zezé Di Camargo e Luciano, Marcos e Belutti, Tico Santa Cruz e Angélica, mostrando o poder de alcance que sua voz tinha a frente do grupo.

Um dos raros momentos em que se afastou do grupo foi em 2009, quando, alegando problemas de saúde, foi substituído pelo ex-vocalista da banda Rádio Táxi, Maurício Gasperini, em três shows do Roupa Nova. Ele é um dos membros fundadores do grupo, que mantém sua formação original há mais de 40 anos. Em 2009, veio um Grammy Latino na categoria melhor álbum pop contemporâneo brasileiro, concorrendo com Rita Lee, Ivete Sangalo, Skank e Jota Quest.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.