Paulinho da Viola toca em SP

Muito reverenciado, Paulinho da Viola sempre foi muito reverente. Nunca deixou de lembrar que deve a nobreza de sua música aos grandes compositores da Portela (principalmente aos da Portela, sua escola). Quando começava a se tornar o novo príncipe do samba, no fim dos anos 60, Paulinho resolveu levar os compositores da Portela para o estúdio.A idéia era registrar o repertório genial e desconhecido - fora da comunidade de Osvaldo Cruz, onde eles se reuniam. Chamou a turma. Chegaram os compositores, com suas mulheres, cerveja gelada em embalagens térmicas, petiscos - tudo o que não se pode levar para dentro de um estúdio.Os técnicos ficaram assustados. O susto passou quando o samba começou. O nome Velha-Guarda da Portela estava nascendo ali, em 1970. De lá para cá, eles gravaram pouquíssimo. O trabalho mais recente foi o produzido por Marisa Monte, o disco Tudo Azul. Antes disso, o japonês Katsunori Tanaka havia produzido um elepê, Velha-Guarda da Portela, inicialmente exclusivo do mercado japonês (a Nikita Records acaba de editar o disco, em CD, no Brasil).Paulinho e a Velha-Guarda encontram-se novamente nessa sexta-feira, no Credicard Hall, para show único e rigorosamente imperdível, ao lado de Monarco, Argemiro, Jair do Cavaquinho, Surica, Dona Doca e os outros ilustres.É um dos ótimos programas que os palcos da cidade oferecem para quem gosta de música - não é só para quem gosta de samba. Fala-se, aqui, da grande música popular brasileira.Velha-Guarda da Portela e Paulinho da Viola. Amanhã (16) às 22 horas. De R$ 15,00 a R$ 40,00. Credicard Hall. Avenida das Nações Unidas, 17.955, tel. 3177-3663. Patrocínio: ZIP.NET

Agencia Estado,

15 de fevereiro de 2001 | 18h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.