Paul McCartney vai fazer vídeo com ajuda de fãs

Em sua cruzada contra o consumo de carne, beatle pede que internautas mandem fotos com trechos de uma canção

Julio Maria, O Estado de S. Paulo

08 de agosto de 2014 | 18h13

Ao menos um disco dos Beatles deve trazer pesadelos a Paul McCartney. Ele tinha 24 anos quando, por brincadeira ou provocação, os quatro cavaleiros de Liverpool estamparam na capa do álbum de 1966, feito para os Estados Unidos e Canadá, uma foto em que apareciam vestidos como açougueiros, cobertos por pedaços de carne vermelha e partes de duas bonecas esquartejadas. Sobre o colo de um sorridente Paul, havia algo parecido com uma perna humana. As rádios não viram graça e boicotaram o disco. A gravadora recolheu o que conseguiu para trocar a foto.

Hoje, Paul tem 72 anos e prefere visitar uma exposição de Yoko Ono a degustar um churrasco. Sente mais do que enjoo diante de qualquer tonalidade de carne desde o dia em que estava com os amigos em uma fazenda observando os cordeiros brincarem quando uma ficha lhe caiu. “Nós percebemos que estávamos comendo pernas de cordeiro enquanto víamos isso... E dissemos: ‘Opa, esta é a perna de um deles!’”, contou. Isso foi há 30 anos, quando Paul se tornou vegetariano. Há cinco, lançou a maior ofensiva que um popstar já empreendeu contra o consumo de animais.

O Meat Free Monday, ou Segunda Sem Carne, tornou-se a bandeira mais visível de Paul. Depois de ler um documento elaborado pela ONU chamado A Enorme Sombra do Gado, sobre o impacto da indústria animal na produção de gases com efeito estufa, começou a escrever cartas para chefes de Estado em busca de respostas sensíveis. Seu programa acabou sendo adotado por escolas de vários países que retiraram a carne de seus cardápios às segundas. E aos que se perguntavam “mas o que é que eu vou comer na segunda sem carne?”, elaborou um livro com receitas vegetarianas. Mas Paul quer mais.

Com o pretexto de comemorar cinco anos do projeto Meat Free Monday, vai fazer um vídeo com a participação dos fãs. Em seu site, pede que os interessados escrevam em um cartaz uma ou duas frases da música tema da campanha, também chamada Meat Free Monday, e se fotografem ao lado dele. As fotos mais criativas, que devem ser enviadas pelo site até 22 de agosto, serão colocadas no vídeo, com a canção ao fundo.

Paul usa a força que sabe que tem para seduzir três gerações de fãs com uma proposta quase irrecusável para convencê-las de que matar bichos não é legal. A letra da canção parece ter sido feita em três minutos, mas tenta falar com um universo mais abrangente do que o mundo dos vegetarianos. Passa pelo aquecimento global, pelo aumento do nível dos oceanos e pelo derretimento das geleiras. Ao fim de dois minutos e 55 segundos, um contrafilé acebolado é transformado em uma bomba atômica.

Paul foi delicado quando gravou um vídeo para tratar do assunto. “Tente tirar a carne apenas um dia da semana. Isso vai reduzir os bilhões e bilhões de animais que são abatidos para o nosso consumo todo dia, toda semana, todo ano..” Apelou para prováveis doenças causadas pelo consumo dos animais: “Os médicos começaram a dizer que isso é o que está causando algumas das maiores doenças na nossa saúde nos dias de hoje”. E fechou com o recado que percebeu nas entrelinhas do documento da ONU: “Salvar os animais ou não é com você. Comer carne ou não é com você. Mas salvar o planeta não é mais uma questão de decidir. Talvez tenhamos essa responsabilidade pelos nossos filhos, pelo nosso futuro”. Para fãs que receberam tanto dos Beatles, um pedido de Paul pode soar uma ordem.

Tudo o que sabemos sobre:
Paul McCartneyMeat Free Monday

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.