Estadão
Estadão

Paul McCartney muda duas músicas do show na despedida do Brasil

Beatle subiu ao palco da Arena do Palmeiras às 21h45 e abriu com 'Magical Mistery Tour'; 'Get Back' foi a outra mudança no setlist

João Paulo Carvalho, O Estado de S. Paulo

26 de novembro de 2014 | 22h28

Paul McCartney não precisou de muito para repetir a dose e empolgar os fãs na noite desta quarta-feira, 26, na Arena do Palmeiras. Diferentemente da primeira apresentação em São Paulo, quando abriu com o clássico dos Beatles Eight Days a Week, Macca resolveu inovar e tocou a psicodélica Magical Mistery Tour, do disco homônimo de 1967, fato que já tinha acontecido na última passagem do britânico pela capital paulista em novembro de 2010.

"Olá, tudo bem, paulistas? Beleza?", brincou o ex-beatle, num português arrastado, assim que subiu ao palco por volta das 21h40. Depois de um atraso de quase 1 hora na primeira noite, Paul McCartney voltou a se atrasar. O som do estádio mais uma vez não decepcionou e era claramente ouvido na pista premium. Alguns fãs, mais especificamente os da arquibancada inferior e superior, chegaram a reclamar do volume que estaria muito baixo no show de terça.

Paul McCartney pouco alterou o repertório para o segundo show em São Paulo. Estava tudo ali, intacto. Here Today para homenagear John, Something para o parceiro George Harrison e uma leva de clássicos dos Wings, incluindo as emblemáticas Let Me Roll It e Get Back, que o Beatle tocou no lugar de Hi, Hi, Hi em relação ao show de terça.

Paul McCartney repassa toda sua carreira em quase três horas de show. Dos Beatles, passando pelos Wings e sua bem sucedida carreira solo. Embora o show de Macca tenha sempre o mesmo script, isso não afeta o resultado final e muito menos o entusiasmo e energias dos beatlemaníacos de plantão.

A chuva desta vez deu uma trégua e não foi um empecilho para as mais de 40 mil pessoas que compareceram ao novo Estádio do Palmeiras para assistir a apresentação de Macca.

Problemas. Mais cedo, por volta das 18h, houve princípio de tumulto na fila e algumas pessoas chegaram a reclamar da falta de orientação para entrar no local.

No início da noite, às 19h, as filas eram quilométricas. "Eles, como sempre, organizam muito mal um evento desta grandeza. Não há preparo dos profissionais", afirmou o aposentado Evandro Rodrigues Maciel, 62. Segundo ele, algumas pessoas tentaram furar a fila.

O sistema de cartão de crédito e débito funcionou normalmente no segundo dia. Na terça, 25, várias máquinas pararam de funcionar, obrigando o público a comprar bebidas e alimentos apenas com dinheiro.

O problema de conexão, entretanto, parece ter assustado aos fãs de Paul McCartney. Grande parte efetuou as compras com dinheiro. E o caso do auxiliar administrativo Miguel Paiva Neto, 31. "Sempre tiro dinheiro. Não dá para confiar nessas máquinas principalmente quando tem tanta gente assim", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
Paul McCartneySão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.