Paul McCartney confirma shows em São Paulo, Vitória e Brasília

Ex-Beatle vai tocar no estádio do Palmeiras em 25 de novembro

Jotabê Medeiros, O Estado de S. Paulo

13 de outubro de 2014 | 11h49

Atualizado às 19h30

Finalmente, o que era boato há quase um ano se confirmou nesta segunda-feira: o fenômeno "Paulmeiras" vai finalmente se efetivar, com um show único de Paul McCartney em São Paulo, no antigo Palmeiras (novo Arena Allianz Parque, nome do espaço multiúso que ocupou o espaço do velho estádio).

Aos 72 anos, um dos maiores gênios musicais da história da música pop desembarca na Barra Funda no dia 25 de novembro, última parada de sua turnê Out There pelo País, e deve tocar cerca de 35 canções para 65 mil pessoas durante 2h40. Ele inicia a excursão no dia 10 de novembro, em Vitória, Espírito Santo (no estádio Kleber de Andrade). No dia 23, chega a Brasília pela primeira vez, para show no Estádio Mané Garrincha.

O promotor dos shows, o carioca Luiz Oscar Niemeyer, confirmou que McCartney já planejava vir para a Copa do Mundo, "mas os estádios não ficaram prontos a tempo". Ele chegou a tocar na Arena Castelão, em Fortaleza, no ano passado, com a área externa ainda em obras. A turnê de 2014 começou a ser negociada no início deste ano com o ex-Beatle, e ele preferiu fechar a vinda para o segundo semestre.

A história de Paul no País já é pródiga em números. O ex-Beatle passou, em um período de 24 anos, por 11 capitais (Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre, Curitiba, Recife, Florianópolis, Fortaleza, Goiânia, Belo Horizonte, Vitória e Brasília), apresentando-se para um público estimado em 875 mil pessoas, quase três vezes a população inteira da Islândia. Seu primeiro show no País foi no Maracanã, em 1990, para um público recorde: 185 mil pessoas. Paul McCartney quer fazer shows no máximo de capitais brasileiras que conseguir, segundo promessa feita aqui durante uma de suas apresentações. O retorno a São Paulo, no entanto, foi decidido pelo próprio músico, que considera que a cidade contém um "contingente enorme" de fãs de sua música, e que não conseguiu atender a todos com as apresentações anteriores.

Mas há motivo menos altruísta: McCartney é agenciado pela AEG Live, empresa que tem parceria com o projeto do Allianz Parque (e agencia centenas de outros artistas, como Pearl Jam, Elton John, Lady Gaga e Kiss). "É uma série de fatores. A inauguração de uma arena supermoderna também contou", disse Niemeyer.McCartney chegará ao Brasil após uma série de datas nos Estados Unidos (apresentava-se em Dallas, no Texas).

A turnê Out There começou há dois anos e passou pelo Brasil no ano passado, com shows em Fortaleza, Goiânia e Belo Horizonte. Teve uma parada na Ásia, quando Paul teve de cancelar cinco shows no Japão e Coreia por conta de uma infecção viral. Os médicos o aconselharam a "pegar leve" para se recuperar, e ele retorna agora, acompanhado pela mesma banda estradeira de mais de dez anos: Paul Wickens (teclados), Brian Ray (baixo e guitarra), Rusty Anderson (guitarra) e Abe Laboriel Jr (bateria).Depois disso, Paul lançou o disco de canções inéditas New, seu 24.º álbum de estúdio, em outubro do ano passado - e cujas músicas, como a bela balada Early Days (uma de suas melhores dos últimos anos) e New, têm entrado na nova "perna" da turnê.

O preço dos ingressos varia entre R$ 220 e R$ 700 (entrada inteira). Os promotores dizem que é o mesmo preço que praticaram no show de McCartney em 2010, sem repasse de inflação do período ou custos novos, e que não lhes parece "exagerado".

A AEG é uma empresa de concertos que realiza cerca de 7 mil shows/ano e gere 100 arenas nos cinco continentes. Será parceira do Allianz Parque num contrato de 10 anos, renovável por mais 20.Já a entrada em cena da arena Allianz Parque terá um impacto grande no show biz nacional. Uma operadora de camarotes está oferecendo lugares para 3 shows dos Rolling Stones para maio, além de 26 outros concertos no local, um indicativo de sua força no cenário.

A arena tem como trunfo principal a localização, acessível por diversas vias e com metrô nas imediações. Terá anfiteatro coberto para até 12 mil pessoas, com moderno centro de convenções para até 1.200 pessoas, possui 45 mil assentos cobertos (dos quais 3,2 mil estarão distribuídos em 200 camarotes, dentre camarotes privativos e camarotes tipo lounge "business club"). Possui restaurantes, lanchonetes, 15 elevadores e 26 escadas rolantes, loja e estacionamento para até dois mil veículos.

McCartney, como se sabe, não é um excêntrico. Uma única exigência do artista se repete sempre: só poderá haver comida vegetariana no catering. E, eventualmente, uma bicicleta na porta do hotel.

ENTREVISTA - Luiz Oscar Niemeyer - EMPRESÁRIO - 'Trazer o Pink Floyd seria um sonho'

Promotor de todos os shows de Paul McCartney no País, Luiz Oscar Niemeyer conseguiu de novo: é ele quem realiza a nova turnê do músico no País. Empresário falou ao Estado.

Você acha que, depois dessa turnê, McCartney poderá se aposentar?

Acho que não. Ele está superbem, vivendo um momento extraordinário na vida e na carreira. Assim como Roberto Carlos, está firme e forte fazendo shows e reunindo multidões aonde quer que vá.

Ele vai fazer show na terra de Roberto, Espírito Santo. Quando foi ao Recife, homenageou Gonzagão. Será que poderá homenagear Roberto?

Ele sempre procura se informar sobre a cultura do local que está visitando, é muito cuidadoso. Sempre acha um jeito de reverenciar o local. Não sei o que reserva para o Espírito Santo, mas Roberto Carlos é sua expressão máximo.

O Pink Floyd está lançando disco novo e pode sair em turnê. Alguma chance de você tentar trazê-los?

O Pink Floyd é uma das daquelas coisas, para minha geração, que é um sonho. Nunca vieram, seria um privilégio trazê-los. Espero que decidam mesmo fazer a turnê, e eu certamente vou tentar. Se não conseguir como promotor, pode apostar que estarei lá como fã.

Como foi a negociação para trazer o Paul este ano de novo?

Ele já queria voltar, pensava em tocar na Copa, mas os estádios não estavam todos prontos, achou melhor esperar. Cada ano é um ano, e este ano conseguimos viabilizar de novo duas capitais que ele não tinha visitado e São Paulo. É óbvio que o fato de a arena ser operada pela AEG dá um aval importante para que ele venha, mas a principal motivação dele era voltar. E São Paulo, o Paul considera que tem um contingente muito grande de fãs de sua música e dos Beatles, e é uma cidade que ele queria fazer um novo show para atender a esses fãs. E a arena está muito bonita, com uma infraestrutura espetacular. É importante, São Paulo está ganhando um espaço para shows fantástico.

PAUL MCCARTNEY

São Paulo - Allianz Parque. Dia 25/11. R$ 220 a R$ 700.Ingressos: 5ª (16/10), a partir de 6h, pré-venda exclusiva para fãs cadastrados - www.tudus.com.br 6ª (17/10), 7h, venda geral pelo mesmo site; e 10 h, bilheteria do Estádio do Pacaembu (Rua Itápolis).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.