Paul McCartney assume experiência com heroína

Paul McCartney experimentou heroína, mas não gostou. Em entrevista à edição desta semana da revista britânica Uncut, McCartney disse ter provado a droga e usado cocaína por um período. "Experimentei heroína só uma vez", disse à revista. Um trecho da entrevista foi publicado na edição de hoje do jornal Daily Mirror. "Eu não sabia que era heroína. Alguém me passou e eu fumei, aí percebi o que era. Não fez efeito para mim, o que foi bom, porque eu não gostaria de ter ido por esse caminho", disse o músico.Apesar de ter curtido cocaína por um tempo, ele afirmou que largou as drogas depois de um tempo. "Usei cocaína por um ano, na época de Sgt. Pepper", ele disse, se referindo ao álbum dos Beatles de 1967. "Coca e um pouco de maconha para balancear. Eu nunca fui louco por cocaína. Usei pela primeira vez e pareceu OK, como qualquer coisa nova e estimulante. Mas quando você começa a usar com freqüência, começa a pensar: ?hum, essa não é uma idéia tão boa?, principalmente quando você começa a ter aqueles terríveis altos e baixos", disse McCartney. O ex-Beatle confirmou que as drogas influenciaram algumas das músicas da banda. "Got to Get You Into My Life é totalmente sobre maconha, mas a maioria das pessoas não percebeu na época. Day Tripper é sobre ácido, assim como Lucy in the Sky, o que é óbvio. Outras falam sutilmente das drogas, mas é fácil superestimar a influência das drogas sobre a música dos Beatles", disse. "Quase todo mundo usava drogas naquela época e nós não éramos diferentes, mas compor era muito importante para nós, para que ficássemos loucos o tempo todo", disse McCartney. Ele também contou que a banda que ele formou depois do fim dos Beatles, Wings, era "bastante tosca e não muito boa" quando começou. "Houve uma época em os Beatles não eram muito bons, mas nós podíamos ser ruins apenas entre nós. Wings fez tudo em público e a sombra constante dos Beatles não ajudou muito", concluiu.

Agencia Estado,

02 de junho de 2004 | 14h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.