Paris festeja descobrimento do Brasil

Com "seis dias de viagem musical pelo Brasil adentro", reunindo 250 artistas nacionais e figurantes europeus, o Parc de La Villette et la Cité de La Musique de Paris irão festejar, a partir do próximo dia 26, o quinto centenário da descoberta. Paralelamente à "viagem", haverá exposições de artes plásticas e de fotografias - entre as quais a do francês Pierre Verger (já falecido) sobre o mundo afro-brasileiro -, promoções da gastronomia brasileira, projeções dos clássicos do cinema nacional, bailes de gafieira, partidas de forró e capoeira no pavilhão "Grande Halle" de La Villette. Já que o Brasil "começou no Nordeste", os shows pelos 500 anos, em sua primeira parte (de 26, a 28 de maio), darão destaque particular aos ritmos da região, com Lenine, Mestre Ambrosio, Alceu Valença e os conjuntos Pife Moderno e Nau Brasil interpretando as diversas modulações do frevo, forró, coco e maracatú. A Bahia, por sua vez, entrará na dança pelas mãos do conjunto carnavalesco Ilê Aiyé, que se apresentará no grande patio de la Cité de La Musique com o reforço de 150 percussionistas franceses e europeus amadores, treinados nos ateliês de batucada da região parisiense. Depois, no auditório, irão se suceder Gilberto Gil (que homenageará Luis Gonzaga), Naná Vasconcelos, Maria Bethânia, o Egberto Trio e Los Indios do Xingu. Na noite do dia 28 de maio, Martinho da Vila e o conjunto de percussão Folia de Reis introduzirão o samba no programa. Samba que dominará a cena de La Villette de 2, a 4 de junho, com exibições ao ar livre da bateria da Portela (apoiada pelo grupo de 150 percussionistas europeus ), demonstrações de gafieira, shows em auditorios de Paulinho da Viola com dona Ivone Lara, Silvero e Zé da Velha. O samba dará o tom, mas haverá também espaço, nesse período, para as apresentações de Paulinho Moska e Karnak. Segundo as publicações relativa à promocão, os dois artistas representam novas tendências criativas nas correntes musicais existentes no Rio e São Paulo e cuja característica básica é a "mistura de gêneros sob a infuência pop/rock". Para o diretor do Departamento de Espetáculos de La Villete, Bertrand Collette, a grande surpresa para os parisienses, nesta segunda parte da "viagem musical pelo Brasil", será o show (nos dias 3 e 4 de junho) "O Marco do Meia Dia", de Antônio Nóbrega e sua esposa Rosane, que se apresentam pela primeira vez na Capital francesa. "Nóbrega canta, toca, dança, faz rir e chorar, ele encarna, enfim, a riqueza e a diversidade da cena musical e teatral brasileiras", assinala o livreto da promoção. A música instrumental brasileira, em particular o choro, terá sua vez no quadro em que o artista pernambucano rende tributo à memória de Ernesto Nazareth. Nóbrega incluiu também em seu espetáculo uma cena de pantomima em homenagem ao mestre mundial do gênero, o francês Marcel Marceau, atualmente em excursão pela America Latina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.