Parceria de Bárbara Rodrix e Luiza Possi vence Festival de MPB de Avaré

Parceria de Bárbara Rodrix e Luiza Possi vence Festival de MPB de Avaré

'Minha Companhia' tem estrutura musical nada óbvia

Regis Salvarani, Rádio Eldorado

16 de novembro de 2014 | 15h41

Longe dos olhos e ouvidos do grande público, um grupo de cidades do interior paulista mantém viva a tradição dos Festivais de Música Brasileira. Ilha Solteira, Botucatu, Ribeirão Preto, Pereira Barreto, Tatuí e Sorocaba, entre outras cidades, recebem anualmente uma geração de compositores interessados em mostrar suas criações.

O FAMPOP, Feira Avareense de Música Popular, talvez o mais tradicional destes festivais, teve neste final de semana sua trigésima segunda edição. Danilo Caymmi e Cláudio Nucci, Moska e Alceu Valença fizeram os shows de encerramento de cada uma das três noites do evento, e, mesmo com muito frio, encheram a praça principal da cidade. Nomes consagrados prestigiando um evento dedicado aos novos nomes da música. Coube a Alceu também, como patrono desta edição, entregar o prêmio à canção vencedora.


Este repórter fez parte do júri que ajudou a eleger Minha Companhia a campeã do ano. Parceria de Bárbara Rodrix e Luiza Possi, interpretada pela primeira, a música apresenta uma estrutura musical nada óbvia, e uma letra carregada de sentimento, que foge das rimas fáceis. A combinação, com influências de blues na temática e na sonoridade, emocionou o público, mas não foi a única. Não seria injusto premiar Fábio Cadore e Rodrigo Velozo que apresentaram Saudade Que Dá, ou Alexandre Lemos, por Temporada de Temporal, respectivamente segundo e terceiro lugares. Três canções com letras e melodias bem trabalhadas, na melhor tradição de grandes clássicos brasileiros que atravessam gerações.

O festival de Avaré ajudou no passado a projetar artistas como Lenine, Zeca Baleiro, Jorge Vercilo e Chico César. Nos últimos anos, teve frequentes participações dos integrantes do grupo 5 a Seco, que também começa a despontar para o público nacional. Mas ainda falta colocar este tipo de disputa, que privilegia a descoberta de canções, no proscênio da nossa música. Os concursos musicais mais populares no país hoje privilegiam performances de novos intérpretes para músicas já conhecidas, mas a canção brasileira e os novos compositores continuam aparecendo, e novas vozes dificilmente se firmarão com repertórios já batidos em décadas passados por seus autores. Com o crescimento do número de cidades interessadas em receber os festivais e as bênçãos de artistas consagrados, como os que se apresentaram em Avaré, o estilo musical chamado de MPB pode ver seu público crescer e assim atrair os interesses de grandes patrocinadores e meios de comunicação. Que venham as novas canções brasileiras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.