Pará premia sinfonia em homenagem a Covas

A peça Sinfonia Elegíaca Mário Covas - In Memoriam, de André Mehmari, multiinstrumentista, arranjador e compositor fluminense, há anos radicado em São Paulo, venceu o concurso Sinfonia para Mário Covas, promovido pelo governo do Pará. Com o primeiro lugar, o músico irá receber um prêmio de R$ 25 mil, terá a sua obra gravada em disco e executada publicamente por uma orquestra sinfônica. Em segundo lugar ficou Alexandre Schubert, com In Memorian, e em terceiro Alexandre Fracalanza Travassos, com Visões de uma Reforma.André Mehmari, de 24 anos, transita com maestria pelos universos popular e erudito da música brasileira. Em 1998, foi um dos vencedores do Prêmio Visa - Edição Instrumentistas. Devido ao prêmio, estreou em disco pela gravadora Eldorado. Recentemente, tem trabalhado com Mônica Salmaso, realizando uma série de concertos que destacam o piano dele e a voz dela. Entre os seus principais trabalhos, estão Quase uma Suíte (1998), Sete (1999) e Enigmas para Contrabaixo e Sopros (1999). O músico se prepara para lançar um novo álbum, o primeiro realmente autoral. O CD deve se chamar Canto, e está pronto.O concurso foi criado pelo governo do Pará, estado que se destaca ano a ano por seu cuidado com a música erudita brasileira, com o objetivo de prestar uma homenagem ao político e estimular a carente produção nacional. Participaram da seletiva 21 músicos, de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Tocantins, Rio Grande do Sul, Pará, Espírito Santo e Distrito Federal. O júri era formado pelos maestros Júlio Medaglia, Amaral Vieira (presidente da Sociedade Brasileira de Música Contemporânea) e Edino Krieger (presidente da Academia Brasileira de Música).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.