Para Gil, arte é manifestação da consciência universal

O cantor e ministro da Cultura do Brasil,Gilberto Gil, disse que pertence a uma geração "que considera as formas artísticas como uma maneira de manifestar uma consciência universal pela paz, a harmonia, e a superação de grandescontradições", com uma certa "dimensão utópica".Gil fez estas declarações em Cáceres, cidade do oeste da Espanha, onde receberá hoje o prêmio "Extremadura" pela MelhorTrajetória Artística de Autor Ibero-americano, entregue pelo governolocal. Um prêmio que, segundo o cantor, lhe é dado por sua contribuição à música brasileira e também por sua "simpatia".O músico acredita que a política não entra em contradição com acultura. Na sua opinião, tudo o que não é natureza é cultura, e portanto, "a política, como parte da cultura, é uma forma de continuar em busca dos sonhos e dos ideais".A respeito do prêmio, o cantor e compositor afirmou que está muito satisfeito e esperançoso, sobretudo pela filosofia em torno deste reconhecimento, que lembra sua contribuição para a cultura universal, e acrescentou que além disso significa "estreitar laços entre dois países que têm muitas coisas em comum".Gilberto Gil, que apenas conhecia Extremadura pelos livros de história, disse que gostou muito da paisagem, "árida como o nordeste do Brasil", e da cidade de Cáceres, que "com essa beleza tão forte deveria ser mais conhecida".

Agencia Estado,

06 de setembro de 2005 | 10h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.