Para Bowie, Berlim foi refúgio e fonte de inspiração

Músico gravou ou produziu na capital alemã três de seus discos mais emblemáticos, 'Low', 'Heroes' e 'Lodger'

AFP

12 Janeiro 2016 | 10h48

Na década de 1970, cansado dos holofotes e dos excessos, David Bowie se refugiou em Berlim, onde encontrou a inspiração para criar três álbuns, entre eles o lendário Heroes.

A relação particular que Bowie construiu com a capital alemã, cidade em que viveu por três anos, é ilustrada nas numerosas homenagens ao artista pelo país nesta segunda-feira, 11.

Em um tuíte, o ministério de Relações Exteriores agradeceu a Bowie por haver ajudado a 'derrubar o Muro' de Berlim com sua canção Heroes, um hino da Guerra Fria.

"Adeus, David Bowie. Agora você está entre os #Heroes. Obrigado por ter ajudado a derrubar o muro", escreveu o ministério na rede social.

"Era um dos nossos e estamos orgulhosos", disse o prefeito de Berlim, Michael Müller, em comunicado. Heroes é um dos títulos "mais conhecidos de Bowie e se tornou um hino para nossa cidade, naquele momento dividida, e para seu desejo de liberdade", acrescentou.

A canção, inspirada em um casal de namorados no Muro de Berlim, é um convite para superar as divisões. "Eu me lembro, de pé, junto ao muro, e as armas disparando sobre nossas cabeças, e nos beijamos, como se nada pudesse cair", diz a letra.

O artista britânico também teve a oportunidade de apresentar a canção em um concerto em frente ao Parlamento alemão, próximo ao Muro de Berlim, em 1987. Centenas de berlinenses do leste puderam assistir ao show do seu lado da Cortina de Ferro.

Bowie chegou à então Berlim Ocidental em 1976 vindo de Los Angeles, cansado de uma vida repleta de excessos e fama.

Foi nesta cidade, ainda marcada pela guerra, que compôs uma trilogia de álbuns revolucionários: Low, Lodger e o emblemático Heroes, gravado nos estúdios Hansa, até hoje um lugar de peregrinação para seus fãs.

"Bowie, sem Berlim, não funciona", disse, em 2014, Martin Roth, diretor do museu londrino Victoria and Albert, na ocasião de uma exposição em homenagem ao cantor.

"Foi aqui que escapou de seus demônios e de seu vazio criativo para dar uma nova vida à sua inspiração", acrescentou, lembrando do gosto do artista pela história e cultura alemãs.

De fato, foram os quadros do pintor expressionista alemão Erich Heckel que inspiraram o autorretrato de Bowie na capa do álbum.

Berlim "é uma cidade muito fácil de se perder, mas também de se encontrar", explicou o artista durante uma entrevista em 2001.

Seus três anos em Berlim o marcaram para o resto de sua vida. Em 2013, quando lançou seu álbum The next day, após 10 anos ausente, seu primeiro single Where are you now? era uma recordação melancólica da cidade, com os nomes de alguns dos lugares mais simbólicos.

No videoclipe da canção, aparecem imagens do bairro Schöneberg, onde viveu, da Potsdamer Platz, do Reichstag e do Muro, os lugares onde gostava de circular com seu amigo Iggy Pop.

Na manhã desta segunda-feira, em frente ao edifício onde morava em Berlim, no número 155 da rua Hauptstrasse, admiradores de todas as gerações colocavam flores para se despedir do artista.

Mais conteúdo sobre:
David Bowie Música

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.