SERGIO CARVALHO/ESTADÃO
SERGIO CARVALHO/ESTADÃO

Palco vira pista de dança com show de Foster the People

Hit com refrão clichê teve efeito imediato sobre o público

João Paulo Carvalho, O Estado de S. Paulo

29 Março 2015 | 18h50

O Foster The People transformou o palco Skol em uma verdadeira pista de dança na tarde deste domingo, 29, no Autódromo de Interlagos. Com um show recheado de hits dos dois álbuns da banda, Torches (2011) e Supermodel (2014), os norte-americanos mostraram porque eram uma das atrações mais aguardadas desta edição do Lollapalooza Brasil.

Pumped Up Kicks, maior sucesso, da banda, tem efeito imediato sob todo tipo de público. Tudo porque a música reúne um refrão clichê, daqueles que ficam na mente e fazem você dar o play muitas e muitas vezes seguidas num curto espaço de tempo. Dez de cada nove festas de indie pop da capital paulista executam a canção. Ela é chiclete e modernosa para os adolescentes e, ao mesmo tempo, "cool" para os pais quarentões que acompanhavam os filhos.

O Foster The People quebrou o trauma do segundo disco ao lançar Supermodel no ano passado. Mais maduros o power trio de Los Angeles formado por Mark Foster, Mark Pontius e Cubbie Fink mostrou que o rock dançante está realmente em alta, abusando dos sintetizadores e falsetes.

"Olá, São Paulo. Como vocês estão?", disse o vocalista Mark Foster. O som do Foster The People colocou todo mundo para dançar, sem restrição na chuvosa e nublada tarde de domingo. Para quem assistiu ao primeiro show da banda no Lollapalooza, em 2012, nenhuma surpresa. Estreantes no festival naquela ocasião, eles surpreenderam somente aos mais desavisados.

Pseudologia Fantastica, Helena Beat e Colors On The Walls também estiveram presentes do repertório. O Foster The People reúne todas as característica sonoras do Lollapalooza. Um ponto fraco do show do Foster é deixar as musicas mais tranquilas para o final, o que acaba requebrando um pouco o ritmo frenético da apresentação. 

Mais conteúdo sobre:
LollapaloozaMúsica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.