Pacote recupera astros em início de carreira

Cinco discos reunindo gravações inéditas mostram como se deu a gênese de quatro dos maiores astros da música internacional de todos os tempos. E, de quebra, mostra também como outro grupo mítico, o lisérgico Jefferson Airplane, chegou ao seu crepúsculo em um disco ao vivo (o único existente no mercado). Os quatro astros mostrados em início de carreira no pacote da Nikita Records são Jimi Hendrix, Carlos Santana, Michael Jackson e Sly (aquele da Família Stone).Os fonogramas originais desses cinco discos raros pertencem a um certo selo Almafame, da Inglaterra. Como a gravação de Jimi Hendrix com o saxofonista de rhythm and blues Lonnie Youngblood, feita na distante Filadélfia em 1963, chegou às mãos de um selo inglês é outra questão. Mas o fato é que, dos cinco álbuns, o destaque vai mesmo para a gravação de Hendrix Lonnie Youngblood & The So Called Jimi Hendrix Tapes.Consta que uma disputa judicial com a Capitol Records é que manteve a gravação no anonimato por tanto tempo. A gravadora argumentava que o estilo do guitarrista ainda não aparecia nas músicas, o que o ouvinte vai descobrir que não é verdade. Ninguém tocava daquele jeito. Naquele ano, Hendrix não se chamava Hendrix, mas adotava o pseudônimo Jimmy James. Ele manteve o pseudônimo até 1965, quando se mudou de Seattle para Nova York e fundou o grupo Jimmy James and the Blue Flames, que tocava nos cafés do Greenwich Village.Na sessão de gravação do disco com Lonnie Youngblood, Hendrix mostra em 18 faixas toda a técnica que mais tarde se tornaria clássica, mas também mostra como o blues - de Robert Johnson, Muddy Waters e outros - é a base de toda a sua arte, que ele soube assimilar e transpor. É uma maravilha, embora a gravação seja defeituosa e quase inaudível em alguns pontos. O restante do pacote mostra a influência de Hendrix sobre gerações imediatamente posteriores. Como Three Cream Crackers and A Dog Biscuit, de Sly and Family Stone, que reúne gravações modernas de 1979, e outras raras, de 1965. O funk político da Família Stone tem um peso elétrico que tem tudo a ver com Hendrix. O grupo foi formado em 1965 pelo carismático cantor e compositor Sylvester Stewart, conhecido como Sly. Ele nasceu em Dallas, mas foi em São Francisco, Califórnia, que fez história na moderna música negra americana, influenciando meio mundo que veio depois, de Prince a B52´s. E também Michael Jackson, que é um caso curioso no meio. Foi influenciado, mas também influenciou, como se vê pelo álbum Jackson Five - The Steel Town Sessions. Algumas das gravações desse disco foram feitas pelos garotos do Jackson Five em seus quartos, como Stormy Monday, Saturday Night Come e Under the Boardwalk. Ilustra um caso raro e autóctone da música negra: o de uma releitura particular e festiva da soul music. Era o primeiro contrato do Jackson Five. As canções Big Boy e We Don´t Have To Be Order 21 foram escritas em parceria com Gordon Keith, produtor e dono do selo que os abrigava, Steel Town Records.De todos os irmãos Jackson (que vinham de Gary, Indiana) o que mais se projetou foi, claro, Michael. Em sua primeira fase-solo, ele aprimorou o legado que recebeu das mãos de Diana Ross (sua madrinha desde os primeiros tempos) e fez história na pop music. O único do pacote a quem não pode ser atribuída influência de Hendrix é Carlos Santana, dono de um léxico próprio no mundo da guitarra e contemporâneo de Jimi. Carlos Santana, redescoberto agora no final do século pelo seu álbum Supernatural, gravou em 1968 o CD duplo Fried Neckbones & Home Fries, no estúdio de Paul Curcio.Ao contrário de Hendrix, Santana (que também tinha estraçalhado em Woodstock) esmerava-se na busca de um acento latino, polirítmico, específico e étnico para sua guitarra. Filho de um músico mariachi de Navarro, no México, o guitarrista manteve-se mais próximo do jazz fusion do que do rock ao longo dos anos. Nesse álbum "perdido", Santana já barbariza em alguns dos sucessos que fariam sua fama, como a instrumental Soul Sacrifice, na qual tinha o apoio de Michael Shrieve no solo de bateria.Fried Neckbones & Home Fries tem 19 canções, entre elas o blues As the Years Go By, de Albert King, e Jam in G Minor, do seu anfitrião Paul Curcio. Já se fazia acompanhar da Santana Blues Band. Entre eles, alguns que davam o molho latino de sua música, como os percussionistas Michael Carabello e Jose Chepito Areas.Já Through the Looking Glass, do Jefferson Airplane, é o estranho no ninho aqui nesse pacote, mas igualmente uma raridade. Rock lisérgico e de exceção no cenário do rock, o Jefferson Airplane era uma espécie de The Doors sem sex symbol. Movidos a LSD, o grupo resolveu musicar algo baseado na origem de um dos seus desvarios, o livro Alice através do Espelho, de Lewis Caroll. O resultado foi o grande clássico do rock, White Rabbit (tido por muitos como uma apologia ao uso de drogas).O Jefferson foi uma das mais populares bandas psicodélicas dos anos 60. Foi formada em São Francisco em julho de 1965 por Marty Balin (vocais), Signe Anderson (vocais), Paul Kantner (guitarra), Jorma Kaukonen (guitarra/vocais), Bob Harvey (baixo) e Jerry Peloquin (bateria). Pouco tempo depois de sua criação, o grupo mudou e ficou apenas com Balin e Kantner, mais o baixista Jack Casady e o baterista Skip Spence.Through the Looking Glass traz 13 faixas, entre elas It´s no Secret (gravada no seu álbum de estréia, o single Jefferson Airplane Take Off). Segundo a gravadora Nikita, há alguns mistérios referentes às gravações. Não se sabe, por exemplo, se Marty Balin, fundador da banda, participou das sessões ao vivo. Os vocais trazem a ex-modelo Gracy Slick, as guitarras são de Kartner e Kaukonen e Jack Cassidy comparece no baixo. O Jefferson Airplane estabeleceu uma das mais interessantes viagens da era psicodélica, reprocessando com suave harmonia vocal e intenso vigor instrumental elementos do rock, pop, jazz, blues e folk.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.