Pacote da Sony traz 44 faixas inéditas do jazz

A Sony Music despeja esta semana nas lojas a segunda e derradeira parte do pacote Jazz Collection com 20 novos títulos clássicos do jazz de artistas como Sarah Vaughan, Ella Fitzgerald, Miles Davis, Duke Ellington, Gerry Mulligan, Errol Garner, Branford Marsalis, Wynton Marsalis, Charles Mingus e Stan Getz, entre outros. A melhor notícia é que entre os CDs do pacote, estão 44 faixas inéditas.Boa parte desses discos foi lançada no inverno de 1998 pelo selo Columbia Jazz nos Estados Unidos. O CD duplo The Famous 1938 Carnegie Hall Jazz Concert, de Benny Goodman, volta com nada menos que 23 faixas inéditas - certo que seis delas são apenas sessões de aplausos e pequenas gentilezas trocadas entre o maestro e a platéia. Mas há preciosidades, como If Dreams Come True, de qualidade quase inaudível, mas de grande delicadeza, com o som do público acompanhando com as palmas ao fundo.Naquela sessão do Carnegie Hall em 1938, a orquestra de Benny Goodman tinha ninguém menos que o baterista Gene Krupa, o trombonista Red Ballard, Art Rollini no sax tenor e o próprio Goodman na clarineta, entre outros. Com aquelas sessões, Goodman abria as portas do templo que era o Carnegie Hall para artistas como Woody Herman e Duke Ellington e para o jazz, segundo observa o guitarrista Turk Van Lake nas notas que acompanham o CD. Lake assistiu ao concerto quando tinha 19 anos e depois, nos anos 50 e 60, integrou a orquestra de Goodman.O clássico Bitches Brew, disco duplo de Miles Davis de 1969 no qual o trompetista empurrou o jazz definitivamente em direção a outros gêneros - principalmente o rock, em faixas como Spanish Key -, volta remasterizado com uma pequena e singular novidade: a faixa Feio, que não estava no disco original, gravada em janeiro de 1970 (cinco meses após a sessão de Bitches Brew).No disco original, quem fazia a percussão era Don Alias e Jumma Santos. Na faixa-bônus, quem faz cuíca e percussão é o brasileiro Airto Moreira. A guitarra magnífica, em todo o disco, é de John McLaughlin. E, para não dizer que não se falou do restante (o quinteto básico), aí vai: Wayne Shorter, Joe Zawinul Chick Corea e Jack DeJohnette.Mingus Ah Um foi relançado pela Columbia em 1998. Retorna agora com as seguintes faixas-bônus: Goodbye Pork Pie Hat, Boogie Stop Shuffle, Open Letter to Duke e Bird Calls. E mais três gravações inéditas: Pedal Point Blues, GG Train e Girl of My Dreams. Esse disco, gravado originalmente pelo contrabaixista Charles Mingus (1929-1979) em 1959, no 30th Street Studio de Nova York, foi considerado pela revista Down Beat em 1964 como um dos álbuns essenciais do jazz.Na banda, Mingus tinha os saxofonistas John Handy, Booker Ervin e Shafi Hadi, o pianista Horace Parlan e o baterista Dannie Richmond. No trombone, alternaram-se nos lados 1 e 2 os músicos Jimmy Knepper e Willie Dennis.O mais divertido dos álbuns do trompetista Wynton Marsalis é uma das melhores (e a verdadeira) novidades do pacote. My Jelly Lord, que ele gravou em homenagem ao cantor e pianista Jelly Roll Morton (1890-1941), foi lançado há um ano na América. A banda é excepcional: Danilo Perez e Harry Connick, Jr. tocam piano nas faixas Mamanita e Billy Goat Stomp. E há o pessoal de Marsalis: o trombonista Wycliffe Gordon, o baixista Reginald Veal, o saxofonista Victor Goines, entre outros.Jelly Roll Morton foi um dos pioneiros do jazz, um dos seus primeiros grandes artistas, utilizando a precisão formal do ragtime e acrescentando ritmo e dinâmica. Ele, mas Fats Waller e Louis Armstrong, foram os responsáveis pelo pontapé inicial do gênero. Mr. Jelly Lord é o nome de uma gravação de Morton e Boyd Senter dos anos 20, que Marsalis usa como ponto de partida.Um disco efetivamente comemorado em sua época foi The Count Meets the Duke, o encontro das orquestras de William "Count" Basie (1904-1984) e Edward Kennedy "Duke" Ellington (1899-1974). Aconteceu em 6 de julho de 1961 e foi lançado originalmente pela Columbia no ano seguinte, sendo relançado em 1974, 1975 e no ano passado.Em 1999, The Count Meets the Duke recebeu a adição de sete faixas novas, cinco delas inéditas. São sobras de gravações, como Battle Royal (que pode ser vista lado a lado com a gravação tirada da master, original). Essas diferenças só servem para os fãs loucos de pedra ou os tecnocratas.Há alguns discos que foram "enfiados" no pacote de contrapeso, embora sejam excepcionais. The Bill Evans Album, de 1971, já tinha sido relançado anteriormente, há quatro anos. Voltou com três canções inéditas, na ocasião: Waltz for Debby, Person I Knew e Funkallero.A Lista - Conheça a lista completa dos 20 novos lançamentos do pacote Jazz Collection, do catálogo da Columbia.Concert by the Sea - Erroll GarnerThe Dark Eyes - Branford Marsalis TrioBitches Brew - Miles Davis (incluindo uma faixa inédita)Mr. Jelly Lord - Wynton MarsalisThe Bill Evans Album - Bill Evans (com três faixas inéditas)Brazilian Romance - Sarah VaughanEllington Indigos - Duke EllingtonThe Trombone Master - J.J. JohnsonBeyond the Blue Horizon - George Benson (com duas faixas-bônus e uma inédita)First Time! The Count Meets the Duke - Duke Ellington (com sete faixas-bônus, cinco delas inéditas)Round Midnight - VáriosAh Um - Charles Mingus (com três faixas-bônus e seis novas versões)Carnegie Hall Concert - Gerry Mulligan e Chet BakerMonk´s Blues - Thelonious Monk (duas faixas inéditas)Stone Flower - Antonio Carlos JobimThe Quintessential Billie Holiday Vol. VI, 1938 - Billie HolidayThe Best of Two Worlds - Stan GetzNative Dancer - Wayne ShorterNewport Jazz Festival (Live at Carnegie Hall, July 5, 1973) - Ella Fitzgerald (oito faixas inéditas)The Famous 1938 Carnegie Hall Jazz Concert - Benny Goodman (com 24 faixas inéditas)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.