Osesp lembra 100 anos de Verdi com "Réquiem"

A Orquestra Sinfônica do Estado deSão Paulo não fica de fora da série de concertos e apresentaçõesem homenagem a Giuseppe Verdi. Este é o ano em que são lembradosos cem anos da morte do compositor italiano e o grupo faz - alémde um concerto na semana que vem com trechos da óperaMacbeth -, a partir desta quarta-feira, três apresentações com oRéquiem, célebre missa de um autor que passou para ahistória como um dos responsáveis, no século 19, pelaredefinição do conceito de ópera.São quatros os solistas que participam das trêsapresentações, uma a mais do que é normalmente feita pelaorquesta semanalmente: a soprano Norma Fantini, a meio-sopranoLuciana d´Intino, o baixo Carlo Colombara e o tenor Keith Lewis.A regência é de John Neschling.Norma, Luciana e Colombara têm papéis operísticos deVerdi como marcos de seu repertório. Lewis tem desenvolvidocarreira proeminente participando de execuções de obras sacras,como mostrou em gravações como a do Réquiem, de Mozart comCarlo Maria Giulini, e em São Paulo, no ano passado, quandoparticipou da abertura da temporada da Osesp como solista na"Missa Solemnis", de Beethoven.Polêmica - Apresentado pela primeira vez em maio de 1874 o Réquiem provocou grande polêmica. Considerada por gentecomo o compositor Johannes Brahms obra de um verdadeiro gênio,foi atacada por outros, não muito animados com a idéia de umcompositor de teatro adentrar o repertório litúrgico - coisa que,aliás, Verdi não fez apenas com o Réquiem, mas também nassuas Quatro Peças Sacras, na missa em homenagem a Rossini eem uma missa composta na juventude, descoberta a pouco tempo porum musicólogo italiano e gravada no fim do ano passado porRiccardo Chailly e a Orquestra Sinfônica Giuseppe Verdi deMilão.De certa forma, pode-se dizer que o Réquiem - que,para alguns é o ponto de partida para renovações que culminariamna composição das duas últimas óperas de Verdi, Otello eFalstaff - começou a se desenhar na cabeça de Verdi na época dahomenagem a Rossini, em que ele trabalhou ao lado de outroscompositores como Lauro Rossi, professor do Conservatório deMilão.O Réquiem foi escrito em memória do novelistaAlessandro Manzoni, morto um ano antes da estréia da peça. Sobresua morte, Verdi escreveu à Contessa Maffei: "Agora tudo estáacabado... e com ele se acabam todas as nossas grandesglórias." No entanto, não são poucos os que ressaltam que, maisdo que uma mensagem a respeito do significado da morte, oRéquiem tem mesmo como tema a vida e como personagem o homemque luta perante seu inevitável destino.Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo. Quinta, às21 horas; sábado, às 16h30; domingo, às 17 horas. De R$ 10,00 aR$ 30,00. Sala São Paulo. Praça Júlio Prestes, s/n.º, tel.3337-5414.

Agencia Estado,

05 de setembro de 2001 | 15h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.