Osesp destaca a música de Stravinsky em 2001

Não se poupou imaginação para a montagem desta temporada musical da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, a Osesp. Seu regente-titular e diretor artístico, o maestro John Neschling, estruturou-a em quatro séries distintas que reúnem um total de 37 espetáculos diferentes. O início será com uma peça barroca, Missa em Si Menor, de Johann Sebastian Bach, nos dias 8, 9 e 10 de março. A regência será de Neschling, tendo como solista a soprano francesa Veronique Gens, em sua estréia no País. Ela será acompanhada pelo Coral da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, sob regência de Naomi Munakata.Mas o compositor-chave da nova temporada da Osesp será Igor Stravinsky (1882-1971). Obras importantes desse compositor russo serão executadas: Sinfonia dos Salmos, Missa, As Bodas, O Pássaro de Fogo e A Sagração da Primavera. Em estréia brasileira, será apresentada a sua ópera A Carreira do Libertino, nos dias 12, 13 e 15 de outubro.Além de Stravinsky e Bach, o barroco Haendel, os clássicos Haydn, Mozart, Beethoven e Schubert, além dos românticos Schumann, Brahms, Grieg e Bruckner foram igualmente programados pela Osesp para o primeiro ano do milênio. Século passado - Isso, ao lado de artistas do século 20 - agora século passado - como Walton, Copland, Taverner, Davies, Messiaen, Bartók, Shostakovich e Bernstein, entre outros. A música brasileira será representada em 2001 por Guarnieri, Prado, Oliveira, Braga, Taborda, Lobo, Tacuchian e Peixe.A Osesp será regida por outros maestros, além de John Neschling e Roberto Minczuk, seu assistente. Entre os principais convidados desta temporada estão Paavo Berglund, Gerar Schwarz, James Judd e Alain Lombard.Os solistas previstos também são de alto nível, como Ricardo Castro, Jean-Louis Steuermann, Nelson Freire, Michel Dalberto, Bruno Leonardo Gelber, Nikolai Demidenko, Gerhard Oppiz, Joaquín Achúcarro e Dezso Ránki - todos eles pianistas.A flauta de Emanuel Pahud, o clarinete de Edmilson Nery, o oboé de Alex Klein, a trompa de Ozéas Arantes, o violino de Boris Belkin, além dos violoncelos de Natalia Gutman, Mario Brunelli e Boris Pergamenschikow poderão ser ouvidos na Sala São Paulo em concertos de vários períodos históricos. No plano vocal, além da presença inédita da soprano francesa Veronique Gens, a soprano Rosana Lamosa e o tenor Fernando Portari voltam a se apresentar com a Osesp.Por ser uma orquestra subsidiada pelo governo, a Osesp pode oferecer os preços mais baixos entre os da temporada: de R$ 100 a R$ 300 por série. O telefone do serviço de assinaturas da orquestra é 3351-8200.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.