TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Osesp abre série de 'concertos democráticos' pela web

Disponíveis até o fim do ano no site da orquestra, o primeiro deles foi regido por Marin Alsop e teve 'Abertura Leonora no. 3', de Beethoven, e 'Matias, o Pintor', de Paul Hindemith

João Marcos Coelho, ESPECIAL PARA O ESTADO

30 de novembro de 2020 | 07h00

Depois de nove meses de pandemia, finalmente a Osesp fez a coisa certa, como diria Spike Lee: resolveu transmitir e deixar disponíveis no seu portal os concertos, “daqui até o final do ano”. Pena que só faltem quatro semanas para o término de 2020. Uma das quatro repetições de cada semana será transmitida “gratuitamente”.

E “inaugurou” em grande estilo a nova postura nos concertos desta semana, transmitindo o concerto da sexta-feira, 27 (acesse em youtube.com/watch?v=Lu2-6qWMquI). Marin Alsop, que comandou a Osesp de 2012 a 2019, regeu um concerto bastante interessante, em que a motivação política povoou as notas emitidas pelos músicos da Osesp: a Abertura Leonora no. 3, de Beethoven, e a sinfonia Matias, o Pintor (1934), de Paul Hindemith. Destoou a Sinfonia Clássica, escrita por Prokofiev quase como um exercício de estilo – genial, diga-se de passagem – em 1917, o ano da Revolução Russa, mas sem nada a ver com ela.

Leonora, o personagem feminino que se veste de homem e adota o nome Fidelio para libertar seu amado injustamente preso por motivos políticos, rendeu várias aberturas a Beethoven, então com política nas veias, nos primeiros seis ou sete anos do século 19.

Sua única ópera é uma obra-prima de música política. E esta abertura, particularmente, é de uma força dramática absolutamente incomum naqueles anos de 1806. Senti-me de volta ao passado, quando Alsop repetidas vezes regeu de modo linear obras que não merecem tal destino. Foi um pouco o caso desta pálida execução da Leonora 3. Prokofiev teve melhor destino nas mãos de Alsop e da Osesp, na gravação que ambos fizeram para a Naxos anos atrás.

De fato, é difícil para os músicos terem de se reinventar espacialmente. Como explicar, então, que tenham se transfigurado na emocionante execução da sinfonia Matias, o Pintor, uma das obras mais reputadas de Hindemith? Talvez pela carga emocional e de caráter político da obra, escrita num momento particularmente dramático do planeta, quando o nazismo já consolidado começava a moldar a arte e a cultura alemãs a seus despropósitos e desvarios. Hindemith flertou com o regime, buscou aproveitar-se para se impor como o grande nome da música alemã. Atitude recorrente entre os músicos em situações de risco e infelizmente frequente também por aqui. Frustrou-se porque seu passado experimental na República de Weimar, nos anos 1920, fez dele adversário natural do nazismo.

Hindemith só se indignou de verdade quando teve proibida no país a execução de boa parte de suas obras e foi acusado de “bolchevismo cultural”. Marco Aurélio Scarpinella Bueno conta esta história nos detalhes em seu ótimo livro sobre o compositor. E foi buscar no pintor gótico judeu Mathias Niethart, que adotou o sobrenome Grünewald, inspiração para sua sinfonia em três partes calcadas no retábulo de Iselheim celebrando a Guerra dos Camponeses de 1524. Desiludido, o pintor deixou a arte e transformou-se em moleiro até o fim da vida. Isso bateu fundo em Hindemith. Ele se fez, segundo Scarpinella, a seguinte pergunta: “Qual a atitude mais adequada de um artista em épocas de incertezas políticas?”

Não deu uma resposta à altura da questão. Nem resistiu nem aderiu claramente. Sua dubiedade custou-lhe caro e jogou-o no mesmo funesto cesto de Furtwängler (queridinho de Hitler), Karajan (teve carteirinha de SS) e Richard Strauss (teve o ego afagado sendo nomeado Presidente da Câmara de Música do III Reich). Todos posteriormente tentaram desvencilhar-se destes pecadilhos. Furtwängler estreou a Sinfonia com a Filarmônica de Berlim em 1934. Foi demitido do cargo por causa disso, mas manteve outros cargos na Alemanha.

Nenhum deles, porém, tinha as armas de que dispunha Hindemith: transformar em música da melhor qualidade uma autocrítica que impacta mesmo quem não conhece estes detalhes sobre Matias, o Pintor. O movimento intermediário, por exemplo, Descida ao Túmulo, não tem nada de heroico, é pura resignação (belo solo do oboísta Arcádio Minczuk). O primeiro, Concerto dos Anjos, parece uma espécie de prefiguração positiva do que seria possível fazer no Reich. Sabe-se que Hindemith propôs e polianamente sonhou com um plano detalhado de reformulação da vida musical alemã – tudo isso além do tributo declarado a Grünewald.

Por isso ele inverte a ordem destes temas na ópera de mesmo título: o finale, Tentação de Santo Antão, lida com os demônios. O resultado é impactante, mas surpreendentemente conservador, música diatônica, tonal – guinada radical de quem ousara muito anteriormente. A Osesp soube transmitir estas ambivalências que só a música pode transmitir, para além de palavras. Um raro momento de brilho da Osesp em 2020.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.