Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

Osesp abre ciclo dedicado aos 50 anos da morte de Stravinski

Concerto na Sala São Paulo também terá estreia de peça em homenagem a Fernando Henrique Cardoso

João Luiz Sampaio, Especial para o Estadão

17 de junho de 2021 | 05h00

A Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, a Osesp, abre nesta quinta, 17, o Ciclo Stravinski, um dos destaques de sua programação do ano, que marca os 50 anos da morte do compositor. Os concertos serão regidos pelo maestro Thierry Fischer e a apresentação desta sexta, 18, terá transmissão ao vivo pelo YouTube da orquestra pela série Concertos Digitais.

O festival inclui os três balés que estão entre as obras mais conhecidas de Stravinski. Hoje, amanhã e sábado será interpretado O Pássaro de Fogo. Na próxima semana, na sexta-feira, 25, será a vez de Petrushka e, no sábado, de A Sagração da Primavera, que estreou em 1913 e é considerada marco da história da música no século 20.

Os balés de Stravinski abririam, a princípio, a temporada deste ano do grupo, em março, mas os concertos acabaram adiados por conta da fase emergencial do Plano São Paulo, que determina as estratégias do Estado no combate ao coronavírus.

Nos concertos desta semana, a obra de Stravinski será apresentada ao lado das Variações Concertantes Sobre o Tema F-E-H-E-C-A, do compositor João Guilherme Ripper. A obra foi encomendada pela orquestra para celebrar os 90 anos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, presidente de honra da Fundação Osesp, comemorados neste dia 18. 

Já na próxima semana, os balés dividirão espaço com sinfonias de Haydn: no dia 25, a Sinfonia nº 96 – O Milagre e, no dia 26, a Sinfonia nº 44 – Fúnebre.

Stravinski também será homenageado na temporada do Teatro São Pedro na próxima semana. Nos dias 26 e 27, será apresentada nova produção da ópera Renard, baseada em histórias do folclore russo, em dobradinha com Mozart e Salieri, de Rimsky-Korsakov, recriação ficcional da relação entre os dois autores, uma das bases em que se inspirou o filme Amadeus, do cineasta Milos Forman. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.