Os maníacos folk dos anos 80 no Citibank Hall

Uma das principais bandas do rock alternativo dos Estados Unidos na década de 80, o 10.000 Maniacs chega neste sábado a São Paulo para um único show, em comemoração aos 25 anos de carreira. A apresentação vai promover um encontro inédito entre a atual vocalista, Oskar Saville, e Mary Ramsey, a antecessora nos vocais. O mais inusitado é que ambas terão de interpretar os sucessos do grupo que ficaram conhecidos na voz de Natalie Merchant, que deixou o 10.000 Maniacs em 1993 logo após a gravação do CD MTV Unplugged. O trabalho acústico foi o principal álbum do grupo, que vendeu mais de 4 milhões mundo afora. No show, não faltarão Because the Night, uma releitura da parceria de Patti Smith e Bruce Springsteen, These Are Days e Eat for Two. O 10.000 Maniacs, com uma sonoridade folk e um nome inspirado num filme de terror dos anos 60, sempre foi um dos expoentes do circuito alternativo americano, ao lado do R.E.M.. Surgiu em 1981 com Natalie (vocais), Robert Buck (guitarra), Steven Gustafson (baixo), Dennis Drew (teclado), John Lombardo (guitarra) e Jerome Augustyniak (bateria), e terminou a década e como uma das cem mais importantes dos EUA pela Rolling Stone. A saída de Natalie, em 93, abriu uma crise no grupo. Sua voz marcante sempre foi uma das características do grupo. Para se reerguer, a banda precisou de quatro anos e só em 97 lançou outro álbum de inéditas, já com Mary Ramsey nos vocais. O trabalho foi bem-sucedido, com destaque para a regravação de More Than This, de Brain Ferry, que ficou 24 semanas entre as mais executadas dos EUA. Apesar de o nível das músicas do novo trabalho não ficar atrás dos anteriores, Natalie deixou muitos fãs órfãos. Mary ainda gravou outro disco, sendo substituída depois por Oskar Seville, até hoje no posto. O 10.000 Maniacs retomou as atividades em 2002, após recesso de dois anos pela morte do guitarrista Robert Buck. 10.000 Maniacs. Citibank Hall (2.100 lug.). Avenida dos Jamaris, 213, Moema, 6846-6040. Sáb., 22 h. R$ 60 a R$ 180

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.