Valerie Amor C via The New York Times
Valerie Amor C via The New York Times

Os discos do ano trazem canções de trauma, medo e triunfo

Crítico do New York Times elege os melhores de 2021, com destaque para Bomba Estéreo e Olivia Rodrigo

Jon Pareles, The New York Times

06 de dezembro de 2021 | 07h40

O ano passado foi inundado por música gravada – não apenas as gravações caseiras que foram a solução para os músicos que viram as turnês evaporaram durante a pandemia, mas também muitos álbuns que foram gravados antes do bloqueio e foram arquivados na esperança de algum retorno à normalidade. Os discos que mais me marcaram durante 2021 foram canções de reflexão e revelação, tratando muitas vezes de traumas e crises, transfigurados através da música.

1. Bomba Estéreo, ‘Deja’

A dupla colombiana Bomba Estéreo lançou Deja como uma série de EPs ligados aos elementos ancestrais: água, ar, fogo, terra. Cada novo EP ampliou um álbum que entrelaça folclore e eletrônica, anseios pessoais e preocupações planetárias. Com o canto e o rap cativantes de Liliana Saumet e as produções meticulosamente cinéticas de Simón Mejía, as canções dançam através de seus medos.

2. Allison Russell, ‘Outside Child’

Allison Russell, a vocalista de longa data do Birds of Chicago, transforma uma infância horrível – ela foi abusada por seu padrasto – em canções de uma alegre sobrevivência. “Eu ainda estou resistindo, com mais força para enfrentar minha dor e sofrimento”, ela canta. Baseando-se no soul, no country, no folk e no deep blues, ela conecta sua própria história ao mito e à metáfora, lembrando o trauma, mas decididamente elevando-se acima dele.

3. Mon Laferte, ‘Seis’

Mon Laferte é chilena, mas mora há mais de uma década no México e está imersa em sua música. Em Seis, ela escreveu canções profundamente inspiradas nas tradições mexicanas regionais – mariachi, banda, ranchera, corrido, norteño – para cantar com uma voz que pode ser provocadora ou furiosamente incendiária, sobre paixões profundas e traições igualmente profundas.

4. The Weather Station, ‘Ignorance’

Tamara Lindeman, que escreve canções e registros como The Weather Station, cercou-se de um grupo de backup intuitivo e jazz para Ignorance, claramente ciente do precedente folk-jazz de Joni Mitchell. Os ritmos são rápidos e precisos; ventos, teclados e guitarras ricocheteiam respeitosamente em suas linhas vocais ofegantes. Ela canta sobre desastres iminentes, românticos e ambientais, e o desprezo generalizado pelo que claramente está para acontecer.

5. Mdou Moctar, ‘Afrique Victime’

Mdou Moctar é um guitarrista tuaregue nascido no Níger. Como Tinariwen, sua banda conecta ritmos norte-africanos e vampiros modais em amplificadores de rock e bateria. Mas Afrique Victime expande ainda mais as possibilidades sonoras para o rock tuaregue, da meditação ambiente ao ataque psicodélico. Ritmos de seis batidas e meadas de linhas de guitarra carregam a voz de Moctar em músicas que podem ser modestas e introspectivas ou incessantemente frenéticas.

6. Julien Baker, ‘Little Oblivions’

"Bata em mim mesmo até que eu esteja sangrando / E eu vou te dar um assento na primeira fila", Julien Baker canta em uma das canções corajosas e implacavelmente autoproclamadas que preenchem Little Oblivions, um álbum sobre o número de vícios de uma pessoa. Ela tocou todos os instrumentos sozinha, aumentando seu som até o tamanho de uma arena e soando como o U2, mesmo quando ela se recusa a qualquer desculpa ou perdão.

7. Black Midi, ‘Cavalcade’

A virtuosa banda britânica Black Midi ergue-se em todas as direções: com riffs de funk irregulares e enviesados; com dissonâncias pontiagudas; com passagens de suspense minimalista e sinistro; com letras cheias de amarga desilusão. E então, apenas para manter as coisas não resolvidas, vêm passagens cheias de ternura e admiração, apenas para mergulhar de volta na briga.

8. Olivia Rodrigo, ‘Sour’

Olivia Rodrigo, agora com 18 anos, fixa-se em um rompimento com a obsessão de uma adolescente em Sour, baseando-se no público que encontrou ao figurar no elenco de High School Musical, da Disney. Com Taylor Swift como um modelo para o artesanato musical, suas canções são tão bem detalhadas quanto feridas, e os diversos estilos - balada de piano calma, harmonias de coro etéreo, violões ferozes distorcidos - para combinar com cada balanço de humor.

9. Esperanza Spalding, ‘Songwrights Apothecary Lab’

Songwrights Apothecary Lab foi o projeto pandêmico da baixista e cantora Esperanza Spalding; ela consultou neurocientistas, musicoterapeutas e etnomusicologistas para criar música para a cura, e um guia do usuário online prescreve o propósito de cada música. Mas as canções são igualmente eficazes fora do rótulo; elas abrangem meditações, composições de jazz serpentinas, improvisações calmas ou turbulentas, perguntas abertas e conselhos astutos, o trabalho de uma mente graciosa e perpetuamente questionadora.

10. Tyler, the Creator, ‘Call Me if You Get Lost’

Uma vida de luxo não pode apaziguar Tyler, the Creator. Ele não é mais o provocador de uma década atrás, quando surgiu com Odd Future, mas ainda é intransigente e de alto conceito. Depois de cantar a maior parte de seu álbum de 2019, Igor, ele está de volta ao rap, agora simulando uma mixtape com DJ Drama como o hypeman. Com sua voz profunda, ele canta sobre tudo o que possui e tudo o que não pode controlar - principalmente romance - sobre suas próprias produções densas e detalhadas, ao mesmo tempo exuberantes e abrasivas. O álbum culmina com uma saga de triângulo amoroso de oito minutos, Wilshire: uma confissão crua, orquestrada astutamente.

E aqui estão outros 15 álbuns merecedores, em ordem alfabética:

Adele, 30

Arooj Aftab, Vulture Prince

Khaira Arby, New York Live

Billie Eilish, Happier Than Ever

Floating Points, Pharoah Sanders and the London Symphony Orchestra, Promises

Flock of Dimes, Head of Roses

Rhiannon Giddens with Franceso Turrisi, They’re Calling Me Home

Idles, Crawler

Ka, A Martyr’s Reward

Valerie June, The Moon and Stars: Prescriptions for Dreamers

L’Rain, Fatigue

Arlo Parks, Collapsed in Sunbeams

Robert Plant and Alison Krauss, Raise the Roof

Omar Sosa, An East African Journey

Tudo o que sabemos sobre:
Olivia Rodrigomúsicarap

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.