Orquestra Sinfônica Brasileira recua e chama de volta 32 músicos demitidos

Em tom conciliador e informal, presidente Eleazar de Carvalho Filho se disse angustiado com crise

Roberta Pennafort, O Estado de S. Paulo

07 Abril 2011 | 23h12

RIO - A crise na Orquestra Sinfônica Brasileira teve um lance surpreendente: uma semana depois de iniciar o processo de demissão de 32 músicos que se insurgiram contra uma avaliação de desempenho imposta para a manutenção de seus empregos, o presidente da Fundação OSB, Eleazar de Carvalho Filho, recuou, e enviou a cada um uma carta chamando-os a "salvar uma grande instituição."

 

Em tom conciliador e informal, ele se disse angustiado com a crise, que fez com a imagem da OSB fosse "seriamente alvejada", e afirmou "ter sido levado" a demiti-los. Não menciona o diretor artístico e regente titular da orquestra, Roberto Minczuk, que foi quem idealizou as provas. "Não existem vencedores", fala a carta do presidente, que termina convidando o músico para uma "conversa construtiva" com ele e com o conselheiro David Zylbersztajn - o nome de Minczuk não é citado -, amanhã, no fim da tarde.

 

O tratamento dispensado pela FOSB aos músicos já levou artistas como o pianista Nelson Freire e a bailarina Ana Botafogo a cancelarem participações em concertos previamente marcados. A repercussão no exterior é péssima, com músicos e maestros se solidarizando com os demitidos. Na carta, o presidente reafirmou que o objetivo das avaliações é "o contínuo crescimento e evolução da OSB". Mas preferiu não apontar culpados para o grau de distensão que se criou.

 

O Conselho Nacional de Políticas Culturais, do Ministério da Cultura, em reunião ontem, apresentou moção de repúdio à posição da FOSB. Alguns músicos interpretaram o aceno do presidente como um temor pela perda de patrocínios: são mantenedoras a Vale, o BNDES e a Prefeitura do Rio.

Mais conteúdo sobre:
música clássica

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.