Orquestra revisita os séculos 17 e 18

A Orchestra of the Age ofEnlightenment está de volta a São Paulo, onde se apresenta estasemana dentro da programação de aniversário da Sociedade deCultura Artística. Acompanhado da soprano Emma Kirby e docontratenor Daniel Taylor, o grupo é um dos principaisespecialistas na música do século 18 e, com o nome remetendo aoperíodo do Iluminismo, utiliza instrumentos de época em suasapresentações.O grupo preparou três programas diferentes para osconcertos na cidade. Hoje, serão interpretadas obras de Bach,Vivaldi, Locke e Haendel. Amanhã, o programa será abertocom o Concerto Grosso n.º 2 em Si Bemol Maior, do holandêsWilhelm Von Wassenaer, que viveu na primeira metade do século 18, desempenhando, além da função de músico e compositor amador, otrabalho de embaixador de seu país. Na seqüência, a Aberturan.º 5 em Fá, de William Boyce, talvez o principal compositoringlês do século 18.As duas outras obras do concerto de amanhã são deautores mais conhecidos do público paulistano: Albinoni, de quema orquestra interpreta o Concerto para Oboé Op. 9 n.º 2, eHaendel, presente com a Cantata Armida Abbandonata, a Ariade Giulio Cesare, a Aria de Alessandro e o ConcertoGrosso Op. 6 n.º 11. O mesmo vale para a apresentação dequarta-feira, com a Ária de l´Atenaide, de Vivaldi, aPavane e Chaconne de Henry Purcell, e os concertos Op. 3n.º 3 e Op.6 n.º 5, a Cena de Solomon, o Dueto deTheodora e a Cena de Jephta, todas de Haendel.Apesar de o repertório das apresentações em São Pauloser composto por obras que vão da segunda metade do século 17 afim do século 18 - e de ser a música desse período o focoprincipal do grupo desde sua fundação em 1986 - a Orchestra ofthe Age of Enlightenment tem ampliado seu repertório nos últimosanos em direção ao romantismo de autores como Verdi ou, atémesmo, ao Mahler do início do século 20. Neste sentido, sãosignificativos seus últimos trabalhos com o regente Mark Elder(com quem gravou disco de árias de Verdi, ao lado do barítonoThomas Hampson) e Roger Norrington, com quem tem feito incursõesno repertório do compositor de A Canção da Terra.A Age of Enlightenment é uma orquestra autogerida, ouseja, é comandada pelos músicos e depende exclusivamente depatrocínios privados, dispensando a presença de um regenteprincipal ou diretor musical, apesar de ter como regentesconvidados o inglês Simon Rattle, diretor da Filarmônica deBerlim, e o alemão Frans Brüggen.A orquestra também tem como convidados instrumentistas ecantores solistas, como é o caso desta turnê, para a qual foramchamados a soprano Emma Kirby e o contratenor Daniel Taylor.Emma especializou-se em criar uma sonoridade que se adequasse aosom produzido pelos instrumentos antigos, o que lhe garantiu aabertura de um mercado até alguns anos bastante restrito. DanielTaylor possui um repertório um pouco mais amplo, tem incluídoobras do século 20 em suas apresentações, mas suas ligações coma música antiga se mantém: no ano passado, ele fundou o Theatreof Early Music, especializado em autores do século 17 e 18.Orchestra of The Age of Enlightenment. Terça e quartaàs 21 horas. De R$ 100,00 a R$ 200,00. Teatro Cultura Artística.Rua Nestor Pestana, 196, São Paulo, tel. 0-11 3258-3616.Patrocínio: Bovespa, Telefônica e Votorantim.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.