Orquestra Heartbreakers ganha versão big band

O músico Guga Stroeter comandou, durante 12 anos, a Orquestra Heartbreakers, vasto período em que pesquisou ritmos brasileiros, cubanos e africanos, privilegiando a dança e o canto. "Mas, apesar do sucesso e da satisfação, eu sentia a falta de executar um detalhe, algo que realizasse meu grande sonho", conta Guga. "Faltava experimentar a sonoridade de uma big band cheia".A idéia de formar uma grande orquestra cresceu a partir do momento em que artistas populares americanos, como Phil Collins e Harry Connick Jr., passaram a trabalhar com big bands. "Resolvi fazer o mesmo, mas com o desafio de projetar uma nova musicalidade condizente com as tendências do novo milênio", comenta Guga, que estréia quinta-feira as duas novas versões de sua orquestra, a partir das 22h30, no Blen Blen Brasil: a Heartbreakers Big Band e a Heartbreakers Combo. Para marcar o início da nova fase do trabalho, o primeiro convidado é Milton Nascimento.Assim, a Heartbreakers Big Band vai contar com 13 instrumentos de sopro (quatro trompetes, quatro trombones e cinco saxofones), além de guitarra, baixo, piano, vibrafone, percussão e bateria, e também os cantores. "Antes, utilizávamos reduções das big bands de Duke Ellington e Tito Puente para uma formação reduzida, com quatro sopros", lembra o músico. "Chegou a hora de trabalhar no formato e na sonoridade máxima".Não satisfeito em realizar seu grande desejo, Guga Stroeter decidiu ir além - o repertório e os arranjos da HB Big Band vão absorver a atitude da música pop brasileira e internacional sem abrir mão da sofisticação do puro jazz. Assim, a banda pretende interpretar o acid jazz, o ska, o funk, o rock-and-roll e as misturas contemporâneas do samba com o hip-hop, criando uma nova linguagem musical.Arranjos especiais - O repertório deverá variar entre o clássico e o contemporâneo. Guga rearranjou diversas composições suas para a Big Band, além de elaborar arranjos originais para cada convidado. Algumas músicas já trabalhadas incluem In the Mood (tocado com espírito rockabilly), Rockin´Rhythm (com arranjos originais revisados por Wynton Marsalis) e Mueve-te (salsa-rap porto-riquenha do grupo DLG), entre outras.A HB Big Band vai ser uma expansão da outra banda, a HB Combo, ou seja, somam-se 11 músicos de sopro aos 9 integrantes da formação menor. "A HB Combo será um dream-team de 9 músicos virtuosos de formações e origens distintas", explica Guga, que aponta, por exemplo, Sizão Machado no baixo. "Ele é um dos melhores músicos do País e sua história inclui participação nos grupos de Elis Regina, Djavan e Chet Baker".Já o trompetista Daniel Alcântara, apesar de seus 25 anos, é conhecido pela excelência como solista - além de tocar nas orquestras sinfônicas, ele improvisa com a fluência dos grandes músicos do jazz norte-americano. O percussionista Ari Collares traz a experiência de 18 anos no Grupo Folclórico Abaçaí, uma das mais rigorosas instituições folclóricas do País. O músico conhece todos os tipos de maracatu, congadas, folias de Reis, ijexás, sambas-de-roda e outros.Completam o grupo o pianista cubano Pepe Cisneros, o guitarrista Webster Santos, o saxofonista Vitor Alcântara, o baterista Edu Ribeiro e a cantora e atriz Débora Reis, que participou recentemente do musical Cazas de Cazuza. Guga Stroeter pretende variar o repertório de acordo com cada convidado. Assim, depois de Milton Nascimento, já estão confirmados Tony Garrido e Jair Rodrigues. "Quero manter um perfil aberto em relação ao estilo dos artistas, sem preconceito musical", afirma. Assim, Guga está negociando a vinda de profissionais com repertórios bem díspares, como Otto, Nação Zumbi e Cauby Peixoto. "Teremos espaço para todos".Heartbreakers Big Band e Combo. Convidado: Milton Nascimento. Blen Blen Brasil. Rua Inácio Pereira da Rocha, 520. Quinta-feira, às 22h30.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.