Orquestra de Câmara abre nova fase

Sob regência do maestro OlivierToni, a Orquestra de Câmara da USP dá continuidade - com doisconcertos, nesta sexta-feira e no domingo - à sua temporada 2002. Tonirege o grupo na execução do Concerto Brandemburguês n.º 3,de Bach, da Sinfonia n.º 8, de Beethoven, e do Concertopara Fagote e Orquestra em Si Bemol Maior, de Mozart. Asolista será Mariana Bergsten. Esta temporada abre uma nova fase na vida da Ocam.Segundo seu atual diretor, o maestro Gil Jardim, a orquestra,que no início do ano renovou seus quadros, encontra-se em"franco desenvolvimento técnico", agora com 34 músicos, o quepossibilita maior margem de escolha no repertório. Isso tornoubastante atraente a temporada deste ano, com um repertórioeclético que vai do Barroco ao século 20, e a presença desolistas de alto nível como Claudio Cruz, Alceu Reis, RicardoKanji, José Eduardo Martins e Gilberto Tinetti. Ligada ao Departamento de Música da universidade, aorquestra tem um papel muito bem definido no contexto em queexiste. Entre outros aspectos, possibilita, e complementa, aformação de jovens músicos. "É importante que exista umentrelaçamento de interesses com a universidade na hora de criarprojetos que sejam de interesse natural para os alunos", dizJardim. Tendo em vista a formação dos músicos, uma dasprincipais preocupações reside no repertório, que procura aliar,segundo Jardim, "o parâmetro que é o repertório clássico aoutros repertórios, mais modernos". "Não podemos virar defrente para o passado e de costas para o futuro." Essa atitudetambém visa a valorizar a criação musical existente nauniversidade e o que há de novo e de qualidade sendo produzido."Precisamos trazer à população uma programação alternativa à debaixa qualidade que reina nos meios de comunicação, e não apenasna música, mas em outros gêneros artísticos." Este ano também traz uma novidade com relação aopatrocínio. Mantida pela USO, que, como realizadora, banca asbolsas para os alunos, a orquestra recebeu um investimento de R$200 mil do Santander/Banespa. "Isso possibilitará, além doempenho da universidade, obter avanços na área de produção dosconcertos e do dia-a-dia da orquestra", acredita Jardim."Precisamos de mais, é claro, mas este é um incentivo que vaiajudar no nosso trabalho e, possivelmente, trará novas grandesiniciativas deste tipo. Em uma situação de crise, não podemosficar sozinhos, no escuro. Temos de dar um jeito de acender umtoco de vela e esperar que o resto apareça em conseqüência denosso trabalho."Serviço - Ocam. Sexta-feira, às 20 horas. Anfiteatro CamargoGuarnieri. Rua do Anfiteatro, 109. Domingo, às 11 horas. Grátis.Teatro São Pedro.Rua Barra Funda, 171, São Paulo, tel.3667-0499

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.