Paulo Lacerda
Paulo Lacerda

Ópera recria trajetória de Aleijadinho em produção nas ruas de Ouro Preto

'Aleijadinho' foi escrita pelo compositor Ernani Aguiar e o libretista André Cardoso

João Luiz Sampaio, Especial para o Estadão

29 de abril de 2022 | 05h00

Escultor, entalhador, carpinteiro e arquiteto, Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, será também a partir de hoje personagem de ópera. Aleijadinho, escrita pelo compositor Ernani Aguiar e o libretista André Cardoso, estreia nesta sexta-feira, 29, em Ouro Preto, em apresentação ao ar livre.

A produção é uma iniciativa do Palácio das Artes de Belo Horizonte, onde a ópera também será encenada, nos dias 14, 16, 18 e 20 de maio. 

“Chegando a Ouro Preto para ensaios, eu me peguei pensando que não sou eu que conto a história da cidade, mas a cidade que conta a história de Aleijadinho para nós”, diz a diretora cênica Julianna Santos.

“Tratar da história do Aleijadinho nos permite refletir sobre diversos temas, como a questão racial. Ouro Preto foi construída com sangue escravo e há uma série de legados ainda presentes em nossa sociedade. Da mesma forma que é preciso abordar o trabalho do Aleijadinho, sua relação com a arte, muito forte.”

Para André Cardoso, Aleijadinho “foi um grande personagem de ópera”. “Tudo o que ele viveu faz dele um grande personagem. O drama de sua vida nos pareceu bastante operístico. A doença que o foi debilitando gradativamente, a relação com o filho que o abandona. O abandono é um tema central na história”, conta.

Cardoso, que é professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, realizou extensa pesquisa histórica para criar o texto. “Há cenas criadas, claro, mas na recriação de personagens históricas tentei ser fiel aos textos de época.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.